O poder dos chacras, a energia da vida

Muito se fala, mas pouco se sabe sobre a principal função dos chacras. Pequenos, coloridos e energéticos, há quem arrisque o palpite de que eles servem para organizar as sensações e os desejos do ser humano. Em sânscrito, língua clássica da Índia, a palavra significa "roda" e reforça a idéia de algo que está sempre em movimento. Afinal, qual o motivo de sua existência? O corpo humano é repleto de canais de energia que circulam em diversas direções. Quando se encontram, alguns desses canais formam um chacra. Segundo a terapeuta holística Adriana Cardoso, eles são centros de força que captam a energia cósmica, distribuindo-a para o físico e o astral. "Os chacras são interligados por canais que permitem a circulação da energia e variam de tamanho e cor, conforme a qualidade da energia presente no corpo", afirma. Semelhante à flor de lótus, cada chacra tem o controle e uma função sobre alguma parte do corpo e encontra-se a 2,5 cm da estrutura física, num local chamado de etérico, conhecido como vital. É praticamente uma cópia da anatomia do corpo humano. "O corpo vital liga o físico ao perispírito (astral). É uma estrutura intermediária entre o material e o astral", ensina Adriana. Repletos de hastes que se enraízam na coluna vertebral, quando equilibrados, seus movimentos acontecem no sentido horário. Segundo a especialista, o ser humano possui mais de 88 mil chacras, sendo sete os mais conhecidos: coronário, frontal, laríngeo, cardíaco, solar, umbilical e básico. Enquanto há vida, existe um chacra, independentemente da situação do físico. Mas, de vez em quando, ele pode falhar, criando uma fraqueza na zona do corpo correspondente ao chacra, bloqueando a circulação de energia e fazendo com que a disfunção crie um estado de dor. Hoje em dia, com o acúmulo de problemas, desde o estresse no trabalho até as preocupações e os medos mais comuns, essa disfunção ocorre com mais freqüência. "Com certeza, todos esses distúrbios afetam o lado emocional e podem gerar uma disfunção no corpo, acarretando um desequilíbrio energético", avisa Karime Neder, diretora do Studio Natarája. Hábitos - Manter bons hábitos alimentares, evitar emoções fortes e realizar práticas que levam ao autoconhecimento podem ser excelentes alternativas para retornar o equilíbrio. "A ioga é altamente recomendável, pois além de proporcionar alongamento e flexibilidade, permite que a energia flua com maior intensidade. Mas, se você não tem tempo, comece com uma boa revisão da rotina e dos hábitos", alerta Karime. Uma outra forma de alinhar os chacras, segundo a terapeuta, é o uso das cores presentes nos diversos tipos de cristais, aplicados em cima dos pontos que precisam de uma dose de energia extra. "Cada tom tem um significado e pode auxiliar nesse tipo de tratamento, unindo a energia das pedras e a dos chacras", garante. Os cristais mais usados são vermelho (alivia a dor), laranja (aumenta a sexualidade), amarelo (diminui a fadiga), ouro (traz autoconfiança), rosa (desperta ternura), verde (atrai prosperidade), azul (calmante), índigo (auxilia no tratamento de problemas psicológicos) e violeta (poder da purificação). Concentração - Para ativar os seus chacras, é necessário concentração e um certo recolhimento. Reserve um tempo do dia para você. Procure um ambiente tranqüilo e sente-se de forma agradável (a coluna deve estar ereta). Observe o seu corpo físico, solte todos os pontos de tensão que estão lhe incomodando e concentre-se na sua respiração, que deve ser lenta e serena. Permaneça se observando por alguns minutos e procure esvaziar os pensamentos. Esqueça de todos os problemas. Já com a mente mais calma, imagine que, ao inspirar, você está absorvendo partículas de energia que estão presente no ar. Mergulhe a sua consciência em seu corpo e perceba a assimilação da energia e a expansão ao expirar.

Agencia Estado,

21 de agosto de 2006 | 12h33

Tudo o que sabemos sobre:
especiais

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.