Timur Matahari/AFP
Timur Matahari/AFP

Por que o Brasil depende da China e da Índia para produzir vacinas contra a covid-19?

Falta de matéria-prima para Coronavac e vacina de Oxford/AstraZeneca impacta na campanha nacional de imunização. Saiba o que é o 'Insumo Farmacêutico Ativo'

Renata Okumura, O Estado de S.Paulo

20 de janeiro de 2021 | 15h00
Atualizado 06 de maio de 2021 | 15h02

A produção das vacinas de Oxford/AstraZeneca e Coronavac no Brasil, por parte da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e do Instituto Butantan, respectivamente, depende da chegada do Insumo Farmacêutico Ativo (IFA), ou seja, o princípio ativo das vacinas. Ambas as imunizações dependem de insumos importados que vêm da Índia (AstraZeneca) e da China (Coronavac).

Desta forma, quando o presidente Jair Bolsonaro ataca a China, insinuando que este país fez "guerra química" com a covid-19 para garantir o crescimento econômico, ele também está atrapalhando a chegada de mais insumos para o Brasil. O próprio Instituto Butantan se mostrou preocupado com tais declarações, que são recorrentes. A falta da matéria-prima impacta diretamente na campanha de vacinação da covid-19 no País.

Para entender a importância da substância na fabricação das vacinas de Oxford/AstraZeneca e Coronavac no Brasil, o Estadão conversou com Rosimeire Alves, doutora em Química Orgânica pela Universidade de Brasília (UnB), Ubiracir F. Lima, membro da Comissão Química Farmacêutica do Conselho Regional de Química/SP, e Gerson Pianetti, professor titular na Faculdade de Farmácia da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e conselheiro do Conselho Federal de Farmácia (CFF).

O que é o IFA? 

O chamado Insumo Farmacêutico Ativo (IFA) é a parte de todo o medicamento que tem atividade. "É o insumo principal porque ele tem a atividade. Sem ele não é possível fazer nada, pois é a principal substância para executar vacinas e medicamentos", afirma Gerson Pianetti, conselheiro no Conselho Federal de Farmácia (CFF).

"O IFA é a substância que confere a atividade farmacológica à vacina ou a qualquer outro medicamento. Os outros componentes presentes na vacina são chamados excipientes e, apesar de não serem responsáveis pela atividade farmacológica, são importantes para seu perfeito funcionamento até o final do prazo de validade", complementa Rosimeire Alves, doutora em Química Orgânica pela Universidade de Brasília (UnB).

Quem são os principais fornecedores da matéria-prima?

O Brasil é totalmente dependente da China e da Índia, especialmente, na fabricação de insumos. "No País, não há uma política governamental para incentivar a produção dos insumos farmacêuticos ativos. O Brasil é muito dependente", afirma Pianetti.

Conforme o Estadão divulgou no ano passado, um relatório da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) publicado no fim de outubro com dados sobre a inspeção internacional de fabricantes do insumo, 35% dos ingredientes de medicamentos básicos importados pelo Brasil vêm da China. Nesse aspecto, o país asiático só perde para a Índia, país de origem de 37% desses insumos. A dependência e falta de matéria-prima para a produção das duas vacinas no Brasil impactam na campanha nacional de imunização contra a covid-19.

Assim como a Coronavac, imunização chinesa produzida pela Sinovac, a vacina britânica de Oxford/AstraZeneca também depende de remessa do IFA que vem da China. Embora produzidas por países diferentes, a substância é importada da China, de fabricantes diferentes.

Para Entender

Como funciona a Coronavac

Coronavac é produzida com vírus inativados do novo coronavírus (Sars-CoV-2), que induziriam o sistema imunológico a produzir anticorpos contra a doença

Quais acordos para a importação?

Os insumos devem ser enviados dentro do que foi acordado entre os governos. "Quando o Butantan e a Fiocruz pensaram em fabricar as vacinas, os acordos foram feitos, ou seja, assinaram com os países responsáveis para que encaminhassem para o Brasil os insumos farmacêuticos, na qualidade e quantidade que foram acertadas", explica o conselheiro do CFF.

Tanto o Butantan quanto a Fiocruz têm tecnologia para transformar esse insumo em vacinas, mas sem a substância não poderão fazer nada. "Se os insumos não chegarem, o País terá sérios problemas de desabastecimento", avalia Pianetti, que também é professor titular na Faculdade de Farmácia da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). 

Hoje o Butantan tem capacidade para fabricar um milhão de doses por dia, mas depende de insumos feitos pelo laboratório chinês Sinovac que precisam ser importados. Um carregamento de matéria-prima aguarda autorização para ser despachado da China. Já a AstraZeneca, por contrato, se não entregar o princípio ativo, deve fornecer as vacinas prontas

Quais os impactos na vacinação da covid-19?

O Brasil depende da chegada do insumo para que sejam produzidas as vacinas de Oxford e Coronavac no País. Com a demora na entrega, a campanha de imunização também sofre com atrasos

"Cada ano que passa temos uma indicação de que temos de mudar nossa forma de pensar. É necessário que o Ministério de Ciência e Tecnologia faça investimentos nos institutos de pesquisas e universidades. Tem que ter investimentos porque não é algo barato fazer o insumo farmacêutico, embora seja totalmente necessário. Sem o insumo ativo, não teremos as vacinas", afirma Pianetti.

Para Entender

Como funciona a vacina Oxford-AstraZeneca

Depois que a vacina é injetada, adenovírus colidem com células e se fixam em proteínas na superfície delas; a célula envolve o vírus em uma bolha e o puxa para dentro; uma vez lá dentro, o adenovírus escapa da bolha e viaja para o núcleo

Por que o Brasil já não faz o insumo? 

No caso das vacinas do Butantan e da Fiocruz, os IFAs são o vírus inativado e o adenovírus, respectivamente, que serão os responsáveis por gerar a resposta imunológica, onde a tecnologia de fabricação do IFA é das empresas estrangeiras e ainda não foi transferida para o Brasil. 

"Por isso, não é possível, neste momento, iniciar sua produção. Em geral, indústrias com pesquisas de medicamentos, e outros produtos sujeitos à Vigilância Sanitária, adotam estratégias de transferência de tecnologia, objetivando aumentos em escalas de produção", explica Ubiracir F. Lima, membro da Comissão Química Farmacêutica do Conselho Regional de Química/SP.

Neste sentido, há interesses mútuos. "Limitantes não programados podem sim ocorrer, como a escassez de materiais de partida por alta demanda no fornecedor", acrescenta Rosimeire.

O Butantan estima que ainda demore dez meses para ter capacidade de produzir a vacina sem depender de insumos importados. Uma nova fábrica do instituto está em construção na zona oeste de São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.