Obama diz estar orgulhoso dos astronautas em ligação para a ISS

Presidente disse também que o fim do programa de ônibus espaciais representa um incentivo para a exploração espacial; o governo está interessado em levar uma missão tripulada para Marte

estadão.com.br

15 Julho 2011 | 14h27

SÃO PAULO - O presidente americano Barack Obama conversou no início da tarde desta sexta-feira com os membros da Estação Espacial Internacional. A ligação durou cerca de nove minutos e ocorreu em tom descontraído. No início o presidente brincou dizendo que achava que tinha ligado para uma pizzaria.

Dez dos astronautas que estão na ISS são membros da missão do Atlantis, a última antes da aposentadoria dos ônibus espaciais. Durante a ligação, o presidente disse que sente muito orgulho das conquistas do programa, que durou 30 anos. "O exemplo de vocês significa muito não apenas para os americanos, mas também para todos os cidadãos da Terra. O programa espacial sempre incorporou nosso senso de aventura e exploração."

Ele também disse que o fim do projeto irá impulsionar as fronteiras da exploração espacial. O governo americano está de olho em Marte e deseja levar uma missão tripulada até o planeta vermelho ainda nesta década ou início da próxima. Obama também lembrou que várias tecnologias desenvolvidas para o programa espacial ajudaram a desenvolver aparelhos para o uso diário das pessoas.

Obama também perguntou sobre a bandeira que os tripulantes do Atlantis levaram para a ISS, a mesma bandeira que voou ao espaço a bordo do Columbia, em 1981, na primeira missão de um ônibus espacial, o STS-1. De acordo com o comandante do Atlantis, Chris Ferguson, ela ficará na estação até o retorno de um astronauta americano, que deverá ser transportado por uma empresa privada até a ISS.

Além de fechar acordo com companhias particulares de transporte espacial, o governo americano quer utilizar as naves de outros países, com a russa Soyuz, para levar seus astronautas para a ISS nos próximos anos.

Mais conteúdo sobre:
NasaISSAtlantisespaçoObama

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.