Obesidade e dieta podem ser fatores de risco para linfoma não-Hodgkin

Obesidade e dieta podem ser fatores de risco para linfoma não-Hodgkin

Ingestão de frutas e vegetais parece reduzir chance da doença

25 de outubro de 2011 | 15h16

O peso corporal e os hábitos alimentares parecem estar relacionados ao risco de desenvolver linfoma não-Hodgkin, mostra um estudo da Harvard School of Public Health, nos Estados Unidos.

 

"As causas da doença não são bem conhecidas e, infelizmente, não conhecemos muito bem meios específicos de prevenir ou reduzir o risco", diz Kimberly Bertrand, uma das autoras.

 

Em estudos anteriores foram encontradas associações positivas entre linfoma não-Hodgkin e a ingestão de gordura trans. Para ampliar a descoberta, os autores avaliaram a relação entre obesidade e o consumo de certos tipos de gordura, frutas e vegetais e o risco para a doença.

 

Os cientistas analisaram dados de questionários de quase 50 mil homens acompanhados ao longo de 22 anos e de quase 100 mil mulheres avaliadas durante 28 anos.

 

A análise sugere que a obesidade entre os 18 e 21 anos aumenta o risco de a doença aparecer mais tarde. "Homens obesos (com IMC superior a 30 tiveram um risco 64% mais alto da doença, em relação aos magros. Nas mulheres, o índice foi 19% maior.

 

Em relação à dieta, mulheres que consumiam pelo menos quatro porções de vegetais por dia tinham um risco 16% menor de ter a doença do que aquelas que comiam menos de duas porções.

 

"Os resultados do estudo, se forem confirmados por outras pesquisas, sugerem que o peso corporal e hábitos alimentares podem ser fatores de risco modificáveis para linfoma não-Hodgkin", conclui a autora.

 

Notícias relacionadas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.