Obras no HC começam e AMAs são alternativa

Durante a reforma no pronto-socorro, pacientes sem gravidade serão encaminhados a uma unidade próxima de casa

Fernanda Bassette, de O Estado de S. Paulo,

31 de janeiro de 2013 | 23h00

A partir desta sexta-feira, pacientes sem gravidade que procurarem atendimento no pronto-socorro do Instituto Central do Hospital das Clínicas de São Paulo, na zona oeste da cidade, serão orientados a buscarem uma unidade da rede AMA (Assistência Médica Ambulatorial) perto de sua casa.

As obras da primeira reforma do prédio do pronto-socorro começam nesta sexta-feira - o que obrigou a unidade a reduzir o atendimento ao público pela metade. A prioridade será receber pacientes graves e vítimas de trauma - que hoje representam cerca de 20% dos quase 500 casos que chegam diariamente ao local.

A reforma, que será a primeira em 70 anos do pronto-socorro, está orçada em R$ 4 milhões e deve durar 12 meses. Além da reforma física, serão adquiridos equipamentos mais modernos, o que deve triplicar a capacidade de atender casos graves.

Segundo a médica Eloísa Bonfá, diretora clínica do PS do HC, uma equipe de acolhimento vai receber os pacientes que buscarem o pronto-socorro por conta própria (sem terem sido encaminhados pela rede) e explicar que a unidade está em reforma e, por isso, o espaço físico foi reduzido.

Essas pessoas receberão um folheto com os endereços e telefones de todas as AMAs, separadas por bairro. A ideia é que o paciente sem problema grave busque um primeiro atendimento nessas unidades e, se for o caso, o médico da AMA fará o encaminhamento ao HC.

Se ainda assim a pessoa insistir em ser atendida no HC, ela será encaminhada para uma equipe de triagem, que avaliará a gravidade do caso. O atendimento não será negado, mas o tempo de espera poderá ser longo.

Segundo Eloísa, as pessoas com problemas ligados à otorrino e oftalmologia terão o atendimento garantido no pronto-socorro do HC, pois as AMAs não possuem médicos dessa especialidade. As outras áreas, como o ambulatório de especialidades, continuarão funcionando normalmente, sem alterações.

A rede das AMAs foi criada em 2005 pela Prefeitura com o objetivo de tirar dos PSs a demanda espontânea de atendimentos de baixa complexidade. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, hoje há 120 AMAs, sendo 17 de atendimento 24 horas. Juntas, realizam 30 mil atendimentos por dia (cerca de 250 cada um). A Prefeitura não respondeu se a rede tem condições de absorver o aumento da demanda.

Tudo o que sabemos sobre:
AMAssaúde

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.