Observatório Kepler confirma primeiro planeta na 'zona habitável'

Descoberta é primeiro passo para encontrar planetas similares à Terra

estadao.com.br com agências de notícias,

05 de dezembro de 2011 | 16h45

 O planeta recém-confirmado, Kepler-22b, é o menor já descoberto que orbita no meio da zona habitável de uma estrela similar ao nosso sol. O planeta tem cerca de 2,4 vezes o raio da Terra. Cientistas não sabem ainda se o Kepler-22b tem uma composição predominantemente rochosa, líquida ou gasosa, mas o achado é um passo em direção à descoberta de planetas similares à Terra.

Pesquisas anteriores apontavam a existência de planetas do tamanho da Terra em zonas habitáveis, mas não havia confirmação. Dois outros pequenos planetas que orbitam estrelas menores e mais frias que nosso Sol recentemente foram confirmados nos confins da zona habitável.

"Este é um marco no caminho para descobrir um planeta gêmeo da Terra", diz Douglas Hudgins, da Nasa. "Os resultados do Kepler continuam a demonstrar a importância das missões da Nasa, que têm por meta responder algumas das maiores questões sobre nosso lugar no universo".

O Kepler descobre planetas e candidatos a planeta fazendo avaliações do brilho de mais de 150 mil estrelas para procurar planetas que cruzem em frente a elas. A equipe do observatório espacial usa telescópios em solo e o Spitzer Space Telescope para revisar observações de planetas candidatos que a nave aponta.

Kepler-22b está a 600 anos-luz de distância. Apesar de ser maior do que a Terra, sua órbita de 290 dias ao redor do sol parece a do nosso planeta. E seu sol, mesmo sendo menor e mais frio, pertence à classe do nosso.

A missão observou muitos planetas grandes em pequenas órbitas. O número dos candidatos do tamanho da Terra e maiores aumentou entre 140 e 200% desde fevereiro.

"O aumento no número de candidatos nos diz que estamos acertando no que o Kepler estava procurando detectar: não só aqueles que são do tamanho da Terra, mas que são potencialmente habitáveis", diz Natalie Batalha, da equipe de cientistas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.