Observatório no Chile fotografa estrela que está se desfazendo

Estrelas de Wolf-Rayet têm uma radiação tão intensa que acabam expelindo suas camadas externas

estadao.com.br

28 Julho 2010 | 13h49

WR 22 é a estrela brilhante no centro da imagem da nebulosa de Carina. Divulgação/ESO

 

O Observatório de La Silla, no Chile, mantido pela organização Observatório Europeu Sul, captou uma imagem da estrela WR 22, na nebulosa de Carina. WR 22 é uma estrela Wolf-Rayet, um tipo raro de astro.

 

Estrelas de Wolf-Rayet têm uma radiação tão intensa que acabam, por pressão da luz, expelindo suas camadas externas, eliminando material da própria atmosfera para o espaço milhões de vezes mais depressa que o Sol.   

 

WR 22 é uma das estrelas desse tipo de maior massa já detectadas. Ela é membro de um sistema estelar duplo, e tem uma massa que é pelo menos 70 vezes maior que a do Sol. Embora esteja a mais de 5.000 anos-luz, a estrela é tão brilhante que pode ser vista, ainda que de modo tênue, a olho nu, em boas condições atmosféricas. 

 

As cores do pando de fundo da imagem são resultado da interação entre a intensa radiação ultravioleta emitida por estrelas de grande massa e muito quentes, como WR 22, e as vastas nuvens de gás, principalmente hidrogênio, onde esses astros se formam.

Mais conteúdo sobre:
astronomiaesocarinaestrela

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.