Reuters
Reuters

Oito funcionários da saúde da Prefeitura de SP morrem; um caso é confirmado para o coronavírus

Pelo menos 106 funcionários da prefeitura estão afastados por infecção da Covid-19

Redação, O Estado de S.Paulo

06 de abril de 2020 | 18h08

Oito funcionários da Secretaria de Saúde da Prefeitura de São Paulo morreram no atual cenário de combate ao coronavírus. Um dos óbitos, o do hematologista e hemoterapeuta Paulo Fernando Moreira Palazzo, foi causado pela covid-19, enquanto os outros sete também podem ter sido causado pelo novo coronavírus, mas ainda não houve confirmação. 

A Secretária de Saúde publicou nota nesta segunda-feira, 6, lamentando os casos. “Perda irreparável, no momento em que a comunidade de Saúde da cidade se prepara para enfrentar seu maior desafio.”

Em outra nota, a pasta afirmou que a Autarquia Hospitalar Municipal (AHM), responsável por 19 hospitais e quatro Unidades de Pronto Atendimento (UPA), registrou 1.841 afastamentos por quadros de síndrome respiratória, incluindo funcionários das áreas administrativas. 

O número de afastados representa 9,3% do total de 19.675 funcionários da AHM e compreende o período de 26 de fevereiro - data em que o 1º caso de coronavírus foi confirmado no País - até a última sexta-feira, 3 de abril. Entre os afastamentos, 95 se tratam de casos confirmados de coronavírus. Antes da chegada do coronavírus ao Brasil, a autarquia já tinha 652 funcionários afastados por outras razões.

No mesmo período, o Hospital do Servidor Público Municipal (HSPM) afastou 94 dos 2.586 funcionários por síndrome gripal. Desses, 11 testaram positivo para covid-19. Os afastamentos no HSPM representam 4% do total. Há ainda 105 profissionais afastados por outras doenças.

Quarentena 

O Estado de São Paulo é o que mais registra casos do novo coronavírus. Nesta segunda, o governador João Doria (PSDB) prorrogou a quarentena por mais 15 dias. A medida começou no Estado no dia 24 de março e teria validade até esta terça-feira, 7, mas agora passa a valer até o dia 22 deste mês. 

Portanto, devem permanecer fechados o comércio e serviços não essenciais - o que inclui bares, restaurantes e cafés, que só podem funcionar com serviços de delivery. Já os serviços considerados essenciais, como farmácias e supermercados, podem abrir as portas.

Receba no seu email as principais notícias do dia sobre o coronavírus

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.