USDA/Divulgação
USDA/Divulgação

Olimpíada pode atrair pelo menos 20 vírus

Para virologista, é preciso formar uma força-tarefa dos governos federal, estadual e municipal para combater o 'Aedes aegypti'

Clarissa Thomé, O Estado de S. Paulo

06 Maio 2016 | 03h00

RIO - O virologista Pedro Vasconcelos, diretor do Instituto Evandro Chagas, alertou para o risco de outros vírus entrarem no País com os turistas que virão para a Olimpíada, em agosto. Segundo ele, há pelo menos 20 vírus transmitidos pelo Aedes aegypti em circulação na África, Ásia e Oceania.

“Sabemos que os índices de infestação no Brasil ainda são muito altos. A Olimpíada é realizada no inverno, mas o inverno brasileiro é muito leve e pode não alterar muito essa situação (alta infestação). Enfrentamos o risco de outros vírus entrarem na Olimpíada”, disse.

Para ele, é preciso formar uma força-tarefa dos governos federal, estadual e municipal para combater o mosquito. “A queda nos níveis de infestação diminui os riscos de acontecer uma transmissão local por outro vírus e daí iniciar um ciclo de transmissão, com risco de epidemia”, disse. 

Estudo de Vasconcelos, publicado na Science, mostrou que o zika entrou no Brasil entre maio e dezembro de 2013, durante a Copa das Confederações. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.