Salvatore Di Nolfi/ EFE
Salvatore Di Nolfi/ EFE

Ômicron parece ser 'mais leve', mas ainda causa hospitalizações e mortes, diz OMS

Organização estimou que 80% das pessoas afetadas pela variante com casos graves não foram vacinadas. Diretor destacou que a doença continua a pressionar sistemas hospitalares

Gabriel Bueno da Costa, O Estado de S.Paulo

07 de janeiro de 2022 | 11h33

Diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus advertiu nesta quinta-feira, 6, que a covid-19 continua a pressionar sistemas hospitalares pelo mundo. Durante entrevista coletiva virtual, ele notou que houve recorde global de casos da doença na semana passada, com o agravante de que há subnotificação.

Ghebreyesus disse que a Ômicron parece ser "mais leve" que outras cepas em geral, mas lembrou que ela ainda pode causar hospitalizações e mortes, sobretudo entre os não vacinados. Segundo a OMS, neste momento 80% das pessoas no mundo que sofrem com casos graves da doença não foram vacinadas.

Líder técnica da Covid-19 na OMS, Maria Van Kerkhove disse que os casos da covid-19 pelo mundo avançaram 71% na última semana. Ela também apontou que a Ômicron leva em geral a quadros menos graves, "mas não significa que eles serão leves" necessariamente, complementou.

A OMS lembrou que há estudos em andamento para concluir sobre a eficácia das vacinas hoje disponíveis em relação à cepa Ômicron. De qualquer modo, a entidade afirmou que elas continuam a ser eficazes para evitar casos graves e mortes pela doença. Na coletiva, Ghebreyesus voltou a usar a expressão "tsunami de casos" para avaliar o quadro recente. Além disso, segundo ele, nos níveis atuais, 109 países não devem conseguir cumprir a meta de vacinar 70% de sua população até julho.

Questionada especificamente sobre o quadro no Brasil, Kerkhove não se deteve no contexto nacional. "A principal mensagem para brasileiros e todos do mundo é: não desistam", comentou, sobre a expectativa de que o quadro seja controlado. Segundo ela, é importante manter as medidas para evitar se contagiar e se vacinar sempre que houver essa possibilidade.

Diretor executivo da OMS, Michael Ryan disse que é preciso admitir que a Ômicron é mais transmissível, por isso a manutenção dos mesmos comportamentos por uma pessoa automaticamente implica risco maior de contágio. Questionado se a Ômicron pode ser a última cepa do vírus, por ser tão contagiosa, ele mostrou ceticismo sobre essa possibilidade. "Ainda há muitas oportunidades para a covid se disseminar e gerar novas cepas", advertiu, pedindo que se reforcem os cuidados para evitar o surgimento dessas novas variantes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.