Irineu Junior/Prefeitura de Suzano
Irineu Junior/Prefeitura de Suzano

OMS acredita que Brasil e outros países do continente ainda não atingiram o pico da pandemia

Entidade evita fazer previsões sobre coronavírus nas Américas e se mostra preocupada com o colapso nos sistemas de saúde

Guilherme Bianchini, especial para o Estado

01 de junho de 2020 | 13h35

A Organização Mundial da Saúde (OMS) está atenta para a situação da pandemia no Brasil e em outros países da América. O diretor do programa de emergências da entidade, Michael Ryan, afirmou que o pico do coronavírus no continente ainda não foi atingido. Ryan ressaltou que é difícil fazer qualquer previsão, mas alertou que países das Américas, como Brasil, Peru, Chile e México, estão entre os que mais registram novos casos da doença em 24 horas.

"Não acredito que tenhamos atingido o pico, e não posso prever quando ocorrerá, mas precisamos mostrar solidariedade aos países das Américas Central e do Sul, da mesma forma que fizemos com países de outras regiões. Estamos juntos e ninguém fica para trás. Se olharmos os diferentes hemisférios, cinco dos dez países com maior número de casos nas últimas 24h estão nas Américas: Brasil, EUA, Peru, Chile e México. É uma área bastante ampla. E os países com maior aumento são Brasil, Colômbia, Peru, México, Haiti e Argentina", disse.

"Embora os números não sejam exponenciais em alguns países, estamos vendo um aumento progressivo diário dos casos. Os sistemas de saúde estão sob pressão, e estamos preocupados com lugares como o Haiti. Ninguém está seguro até todos estarem seguros. Precisamos mostrar solidariedade aos países das Américas Central e do Sul, da mesma forma que fizemos com países de outras regiões. Estamos juntos e ninguém fica para trás", continuou o diretor.

Ryan lembrou que é difícil fazer uma previsão, mas reforçou a preocupação da OMS no continente. "Os países estão precisando trabalhar muito duro para conter a escalada da infecção. Há outros países nas Américas com sistemas de saúde fracos. Temos bons exemplos de países que envolveram todo o governo e a sociedade. Vimos outra situação quanto à ausência e fragilidade nessa situação. Precisamos focar na resposta que esses países vão dar."

A OMS anunciou que deve divulgar, "nas próximas 24 horas", a conclusão de seus estudos sobre a segurança da hidroxicloroquina no combate ao novo coronavírus. O ensaio clínico com o medicamento no projeto Solidariedade (Solidarity) está suspenso desde 25 de maio, quando a entidade se sustentou em uma pesquisa externa, publicada na revista científica The Lancet, que alertou para os maiores riscos de morte em pacientes que utilizaram a droga.

De acordo com a cientista-chefe da OMS, Soumya Swaminathan, as novas diretrizes sobre a hidroxicloroquina se basearão nos dados da própria organização. A atualização levará em conta as respostas ao medicamento observadas em pacientes do ensaio clínico Solidariedade. No Brasil, a inicietiva é coordenada pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

"Consideramos que seja mais importante proteger os pacientes de qualquer risco, e por isso suspendemos temporariamente os testes com a hidroxicloroquina. Precisamos de dados de ensaios clínicos randomizados para chegar a uma conclusão. Ainda estamos avaliando esses dados, e devemos divulgar os resultados nas próximas 24 horas", afirmou Swaminathan.

Ainda segundo a cientista, um ensaio clínico no Reino Unido prosseguiu com os testes com a hidroxicloroquina porque não encontrou riscos no uso da droga em pacientes da covid-19. "É preciso gerar dados sobre segurança e eficácia de qualquer um desses tratamentos analisados. É uma nova doença, ainda não temos evidências. Esperamos que os ensaios respondam a essa pergunta (segurança da hidroxicloroquina), pois é muito importante".

Resposta aos EUA

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, evitou entrar em confronto com os Estados Unidos, mesmo após o presidente Donald Trump anunciar, na última sexta-feira, 29, o fim das relações com a entidade. Em rápido pronunciamento sobre o caso, Tedros pediu que os EUA continuem colaborando com a saúde global. 

"O mundo se beneficia, há muito tempo, do engajamento forte e colaborativo com o governo e o povo dos Estados Unidos. A contribuição e a generosidade com a saúde global foram imensas ao longo de várias décadas, e fizeram a diferença na saúde pública ao redor do mundo. É um desejo da OMS que essa colaboração continue", afirmou o diretor-geral.

Segundo Tedros, a entidade só soube do anúncio de Trump por meio dos veículos de comunicação, sem qualquer aviso direto do governo americano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.