REUTERS/Paulo Whitaker
REUTERS/Paulo Whitaker

AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

OMS admite que ainda está ‘no escuro’ diante da zika

Pesquisadores da Organização Mundial da Saúde admitem que a luta contra o vírus será longa e onerosa para os governos

Jamil Chade, Correspondente de O Estado de S. Paulo

01 de fevereiro de 2017 | 03h00
Atualizado 01 de fevereiro de 2017 | 07h44

GENEBRA - Um ano depois de decretar emergência internacional por causa da proliferação do vírus da zika pelo mundo, a cúpula da Organização Mundial da Saúde (OMS) admite: “ainda está no escuro” diante de vários aspectos da doença, mesmo que muitas perguntas sobre o vírus tenham sido respondidas. A constatação faz parte de um documento usado pela OMS em uma reunião com doadores em janeiro para atualizar a comunidade internacional sobre quais serão os próximos passos. 

A agência de saúde da ONU estima que são pelo menos cinco as perguntas ainda sem respostas definitivas: Qual é o risco absoluto da síndrome congênita do zika? Quais os fatores de risco para a microcefalia? Qual é a extensão da infecção em áreas com o mosquito? Qual é o risco de transmissão sexual? E qual é o papel da imunidade natural em diferentes regiões com surtos que tenham ocorrido no passado?”

Só que a entidade já declarou o fim da emergência e optou por transformar o cenário de urgência em programa de longo prazo. Ao Estado, pesquisadores da agência admitiram que a luta contra o zika será longa e onerosa para os governos. Além de lidar com o mosquito vetor da doença, eles precisam preparar-se para ajudar famílias a lidar com crianças com má-formação e problemas que ainda nem sequer são conhecidos. 

No caso do Brasil, dados recebidos pela OMS nos últimos dias apontam que o verão fez ressurgir o número de casos, ainda que em um volume menor que o do surto de 2015 e 2016. Ainda assim, fontes dentro da própria OMS criticaram o fim da emergência, alertando que a decisão retirou o foco de doadores e foi prematura. 

Vivendo um processo eleitoral para escolher uma nova direção e substituir Margaret Chan no comando, a entidade vive o debate sobre sua credibilidade, duramente afetada nos últimos anos. Durante a campanha, muitos concorrentes disseram não concordar com o fim do status do vírus da zika e a forma de determinar emergências.

O Estado apurou que pelo menos uma candidata sugeriu que, se vencesse, mudaria o sistema de designação de uma emergência global e não concordava com o fim do status do zika.

Outra candidata, Sania Nishtar, confirmou ao Estado que, se vencer a eleição, mudará a forma de lidar com emergências e admitiu que a OMS "não estava pronta para o zika". 

Para sustentar essa posição, os críticos internos alertam que mesmo os dados oficiais da OMS reconhecem que a proliferação do vírus não acabou. Desde 2015, já são 70 os países identificados com a doença. As estimativas dos técnicos da entidade apontam que todos os lugares onde o mosquito vetor da doença, o Aedes aegypti, estiver presente, a população está ameaçada de contrair o vírus. No total, 2 bilhões de pessoas vivem nessas regiões. 

Mas, na avaliação da atual direção da entidade, a lógica é a de que o zika não irá desaparecer e, portanto, uma estratégia precisa ser estabelecida para ampliar os programas de pesquisa, os métodos de combate e introduzir a nova doença nas diversas iniciativas de saúde pública. "O vírus do zika está aqui para ficar", declarou Peter Salama, diretor-executivo da OMS. 

Além disso, a explicação dada hoje é de que, em 1 de fevereiro de 2016, a emergência internacional foi declarada por causa da incerteza que existia naquele momento em relação ao que ocorria no Brasil. "O mundo enfrentava uma incerteza se o vírus estava associado com a microcefalia", indicou a OMS. "Foi em grande parte por conta dessa incerteza que o surto foi declarado como uma emergência internacional. Hoje, enfrentamos uma situação diferente e muitas questões importantes foram respondidas", explicou o documento.

Para a OMS, portanto, a declaração da emergência ajudou a fazer avançar a pesquisa sobre o assunto e determinar quem de fato estava sob risco. 

Ainda assim, a avaliação interna reconhece claramente que as lacunas ainda são importantes. "Existem muitos aspectos do zika sobre os quais ainda estamos no escuro", indicou.  

A gerência da OMS estimou que a melhor forma seria a de desmontar a estrutura emergencial e criar um "programa de trabalho sustentável". "Em muitos aspectos, isso vai exigir um aumento das atividades para garantir que países possam lutar contra o zika e administrar suas complicações", indicou.

Até o final de 2017, a OMS estima que esse esforço precise de US$ 112 milhões. Mas, em 2016, a luta contra o zika recebeu apenas US$ 24 milhões. 

Vacina. Uma parte substancial dos recursos será destinado justamente para a pesquisa e uma agenda foi montada para tentar dar respostas às dúvidas sobre o vírus. Três prioridades foram estabelecidas e, nelas, o desenvolvimento de uma vacina é central. 

Hoje, existem um total de 40 vacinas sendo estudadas e cinco delas começam a fase de testes sobre segurança e capacidade de imunização. Até meados do ano, serão doze as vacinas nesta condição. Mas a própria OMS admite que espera os primeiros registros de produtos apenas em 2020. 

Quando esses produtos chegarem ao mercado, a entidade já definiu que as primeiras doses serão usadas para imunizar milhões de mulheres em idade de engravidar. 

Outro pilar da pesquisa é o controle do vetor. Em maio, a OMS quer que governos aprovem uma decisão ambiciosa para garantir que, até 2030, 75% das transmissões geradas por vetores em mosquitos sejam eliminadas. A estratégia inclui o 

Aedes, o que vai exigir não apenas melhores inseticidas, mas também melhor administração do lixo das cidades e seus esgotos. 

Outra medida sob estudo e implementada em sete lugares é o de "contaminar" o mosquito com bactérias. Isso acabaria impedindo que ele transmita doenças, como zika ou dengue.  Na avaliação da OMS, 17% das doenças transmissíveis poderiam ser eliminadas se essa estratégia funcionar, salvando por ano 700 mil vidas. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.