OMS alerta contra falsa segurança em torno da gripe suína

Diretora-geral da organização diz que ainda há 'grande incerteza' a respeito do vírus A (H1N1)

REUTERS

15 Maio 2009 | 09h14

Maioria dos pacientes não precisa de antiviral, diz OMSA Organização Mundial da Saúde fez um alerta contra a falsa sensação de segurança por causa do surto aparentemente brando da recém-descoberta gripe A (H1N1), mais conhecida como gripe suína, já que o pior pode ainda não ter passado. A diretora-geral da OMS, Margaret Chan, disse que ainda há "grande incerteza" a respeito dessa cepa do vírus, que poderia representar uma grave ameaça particularmente no Sudeste Asiático.

 

Veja também:

especial Mapa: veja como a gripe está se espalhando

especialEntenda a gripe suína: perguntas e respostas 

video Infectologista esclarece cuidados que serão tomados 

mais imagens Veja galeria de fotos da gripe suína pelo mundo   

som 'Meios de transportes facilitam a propagação'

documento Folheto oficial do Ministério da Saúde   

"Estamos enfrentando um tempo de crise que poderia ter implicações globais", disse ela em uma reunião intergovernamental sobre a preparação contra pandemias, na sede da OMS, em Genebra.

O encontro discute a delicada questão do compartilhamento de vírus, em que os países fornecem amostras biológicas à comunidade internacional, para uso de laboratórios que desenvolvem remédios e vacinas.

No auge da preocupação com a gripe aviária, há alguns anos, a Indonésia se recusou a ceder amostras do vírus H5N1 se não recebesse garantias de que eventuais vacinas seriam disponibilizadas a países pobres a preços acessíveis.

Grandes fabricantes de vacinas, como GlaxoSmithKline, Sanofi-Aventis, Novartis e Baxter International, aguardam orientação da OMS sobre o início da produção em grande escala das vacinas contra o H1N1, o que exigirá reduzir a produção das vacinas contra a gripe sazonal.

Na sexta-feira, Chan recomendou aos países que compartilhem suas amostras do H1N1. Outro dirigente da entidade, Keiji Fukuda, disse que tem havido um "rápido e disseminado compartilhamento de espécimes".

Os participantes da reunião -- precursora da Assembeia Mundial da Saúde, na semana que vem -- estão discutindo regras de transparência, confiança e soberania relativas ao compartilhamento das amostras virais.

"Espero que o resultado final seja algo realmente equilibrado, que possamos usar por um longo tempo."

A OMS considera que uma pandemia da gripe H1N1 é iminente. A doença já contaminou mais de 7.500 pessoas em 34 países, e 65 pessoas morreram, principalmente no México.

Chan disse que há uma especial preocupação com o Sudeste Asiático, onde já houve grandes surtos do vírus H5N1 (gripe aviária). De acordo com ela, uma mistura do H5N1 com o H1N1 poderia ter graves consequências. "Não estou dizendo que isso vai acontecer", ressalvou ela.

Mais conteúdo sobre:
gripe suína A (H1N1)

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.