Frederick Murphy/CDC via AP
Frederick Murphy/CDC via AP

OMS anuncia primeiro caso de Ebola em zona urbana na República Democrática do Congo

Organização já registrou 44 casos no país, sendo 3 confirmados, 20 prováveis e 21 suspeitos

O Estado de S.Paulo

17 Maio 2018 | 10h04

GENEBRA - A Organização Mundial de Saúde (OMS) anunciou nesta quinta-feira, 17, a descoberta do primeiro caso de Ebola em zona urbana na República Democrática do Congo (RDC), depois que dezenas de registros foram feitos apenas em áreas rurais do país.

+ Após novos casos de Ebola, OMS diz que se prepara para o ‘pior’

+ Entenda o Ebola: uma emergência mundial

"Um novo caso foi confirmado em Wangata, uma das três zonas sanitárias de Mbandaka, uma cidade de 1,2 milhão de habitantes da Província de Equador, na região noroeste da RDC", afirmou a OMS em um comunicado.

+ Nova epidemia de Ebola mata 17 na República Democrática do Congo

+ Brasileira vai liderar estratégia da OMS para acesso a remédios

O diretor do Programa de Gestão de Situações de Emergência da organização, Peter Salama, advertiu na semana passada que, "se uma cidade deste tamanho (Mbandaka) for infectada pelo Ebola, vamos ter uma epidemia urbana importante".

As autoridades da RDC declararam uma epidemia de Ebola no dia 8 de maio no noroeste do país, perto da vizinha República do Congo. A OMS registrou 44 casos (3 confirmados, 20 prováveis e 21 suspeitos) no país.

Até agora, todos os casos confirmados de Ebola haviam sido registrados em zonas rurais de difícil acesso na região de Bikoro, ao nordeste de Kinshasa, na fronteira com a República do Congo. Esta zona também fica na Província de Equador, a 150 km de Mbandaka.

A descoberta do primeiro caso confirmado da doença em uma zona urbana "é uma evolução preocupante, mas agora temos ferramentas melhores do que nunca para combater o Ebola", declarou o diretor-geral da OMS, o médico Tedros Adhanom Ghebreyesus.

"A OMS e seus sócios tomam medidas decisivas para deter a propagação do vírus", completou. A organização informou que enviará 30 especialistas para uma missão de vigilância em Mbandaka, em colaboração com o Ministério da Saúde local e outros parceiros.

"A chegada do Ebola a uma zona urbana é muito preocupante e a OMS e seus sócios trabalham juntos para intensificar rapidamente a busca de todos os contatos do caso confirmado na região de Mbandaka", declarou o médico Matshidiso Moeti, diretor da OMS para a África.

O anúncio do novo caso foi feito um dia depois da chegada de um lote de 5,4 mil doses de uma vacina experimental contra a doença, procedente de Genebra.

A epidemia de Ebola mais importante da história foi registrada no oeste da África entre 2013 e 2016, com 11,3 mil mortos em um total de 29 mil casos, a maioria na Guiné, Libéria e Serra Leoa.

A OMS foi muito criticada na época por ter demorado a decretar estado oficial de emergência internacional para a saúde pública. Registrada pela primeira vez em 1976, no que então era o Zaire (agora RDC), a febre hemorrágica do Ebola procede de um vírus transmitido pelo contato físico com os fluidos corporais infectados. O consumo de carne de animais silvestres também é um fator de contágio. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.