AP/Jerome Delay
AP/Jerome Delay

OMS aprova 1ª vacina contra malária e recomenda uso em crianças

Doença é transmitida por picada de mosquito e mata mais de 400 mil pessoas por ano, principalmente crianças na África

Redação, O Estado de S.Paulo

06 de outubro de 2021 | 17h06

GENEBRA - Em decisão histórica, a Organização Mundial da Saúde (OMS) aprovou nesta quarta-feira, 6, a primeira vacina contra a malária, doença que é transmitida por um mosquito e que mata mais de 400 mil pessoas por ano, principalmente crianças na África. Segundo a OMS, a cada dois minutos uma criança morre de malária no mundo.

Conhecida desde a antiguidade, a doença manifesta-se principalmente por meio de febre, dores de cabeça e incômodos musculares. Há ainda outros sintomas cíclicos, como calafrios, aumento da temperatura corporal e sudação.

"É um momento histórico. A tão esperada vacina contra a malária para crianças é um avanço para a ciência, para a saúde infantil e para a luta contra a malária", disse em comunicado o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom. “Usar esta vacina, além das ferramentas existentes para prevenir a malária, pode salvar dezenas de milhares de vidas de crianças a cada ano”, acrescentou.

Fabricada pela gigante farmacêutica britânica GSK, a RTS (S/AS01) é uma vacina que atua contra o parasita mais letal transmitido pelos mosquitos, o Plasmodium falciparum. Ao todo, a doença é causada por cinco espécies de parasitas do tipo Plasmodium, todos transmitidos por picadas de mosquitos. O Plasmodium falciparum é o mais patogênico e o responsável por casos fatais.

Para a África, onde a malária mata mais de 260 mil crianças menores de cinco anos a cada ano, a aprovação da vacina é sinônimo de esperança, especialmente porque há temores de que a malária se torne cada vez mais resistente aos tratamentos.

“Durante séculos, a malária assolou a África Subsaariana e causou um imenso sofrimento pessoal”, disse Matshidiso Moeti, diretor regional da OMS para a África. “Há muito esperamos por uma vacina eficaz contra a malária e agora, pela primeira vez, temos uma recomendada para uso generalizado.”

Desde 2019, um programa piloto foi realizado em três países da África Subsaariana, Gana, Quênia e Malaui, introduzindo a vacina em várias áreas. Mais de duas milhões de doses foram administradas. 

A RTS é a primeira vacina, e a única até agora, que se mostrou eficaz na redução significativa do número de casos de malária, incluindo os graves e fatais, em crianças.

De acordo com a OMS, os ensaios clínicos de fase 3 demonstraram que a vacina, quando administrada em quatro doses, previne, no geral, quatro em cada dez casos de malária e três em cada dezes casos da variante mais letal.

Os resultados do teste piloto mostraram que o imunizante "reduz significativamente a malária em sua forma grave em 30%", disse Kate O'Brien, diretora do departamento de vacinação da OMS.

Formas de financiamento e outros avanços na luta contra a malária

Logo após o comunicado publicado pela OMS, a Vaccine Alliance (Gavi), iniciativa da Fundação Bill e Melinda Gates, anunciou que examinará "se e como financiar um novo programa de vacinação contra a malária nos países da África Subsaariana".

O ano de 2021 foi marcado por grandes avanços na luta contra a malária, doença para a qual as empresas farmacêuticas e as pesquisas durante anos deram pouca atenção.

Um protótipo de vacina desenvolvido pela Universidade de Oxford, Matrix-M, aumentou as esperanças em abril, com uma eficácia incomparável de 77% em testes de fase 2. O imunizante pode ser aprovado em dois anos.

Em julho, o laboratório alemão BioNTech indicou que queria aplicar à malária a tecnologia de RNA mensageiro, usada em sua vacina contra o covid-19. A OMS espera que sua recomendação incentive os cientistas a desenvolver outras vacinas. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.