Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Rafiq Maqbool/AP Photo
Rafiq Maqbool/AP Photo

OMS aprova uso emergencial da vacina de Oxford contra a covid-19

Assessores concluíram que o imunizante era recomendável para idosos; Brasil deve receber 1,6 milhão de doses do imunizante no primeiro trimestre

Redação, O Estado de S.Paulo

15 de fevereiro de 2021 | 15h06

 

A Organização Mundial da Saúde (OMS) aprovou nesta segunda-feira, 15, o uso emergencial da vacina contra a covid-19 desenvolvida pela farmacêutica AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford. O anúncio foi feito poucos dias depois que seus assessores concluíram que o imunizante era recomendável para idosos.

A vacina é a principal aposta do governo federal para a imunização da população brasileira. Por meio da Covax Facility, aliança da OMS para a distribuição igualitária de vacinas contra a covid-19 entre os países, o Brasil deve receber 1,6 milhão de doses no primeiro trimestre deste ano e 4,4 milhões a 6 milhões no segundo trimestre.

Até o fim de 2021, o acordo do Brasil com a Covax Facility estima que sejam enviadas 42,5 milhões de doses ao País, o que daria para imunizar 21,25 milhões de brasileiros. A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) tem parceria com a farmacêutica e com a universidade para desenvolvimento do imunizante no Brasil.

No total, a Covax Facility prevê distribuir no primeiro semestre para todos os países que assinaram o acordo 337,2 milhões de doses, sendo 336 milhões da AstraZeneca/Oxford e 1,2 milhão da Pfizer-BioNTech. O aval para uso emergencial é importante principalmente para países menos desenvolvidos, que não contam com agência regulatória desenvolvida para apoiar a decisão de uso ou não da vacina para sua população. 

Para Entender

Como funciona a vacina Oxford-AstraZeneca

Depois que a vacina é injetada, adenovírus colidem com células e se fixam em proteínas na superfície delas; a célula envolve o vírus em uma bolha e o puxa para dentro; uma vez lá dentro, o adenovírus escapa da bolha e viaja para o núcleo

A organização sinalizou ontem que a aprovação se aplicará para as duas versões da vacina da AstraZeneca fabricadas hoje em colaboração com dois sócios da farmacêutica sueco-britânica: o Instituto Serum, da Índia, e a empresa sul-coreana SKBio.

Esta é a segunda vacina que obtém aprovação da OMS. A primeira foi para o imunizante da Pfizer em parceria com a BioNTech, concedida em dezembro. Para a OMS, o aval é especialmente importante, pois planeja distribuir em semanas mais de 300 milhões de doses da vacina da AstraZeneca a vários países. /COM EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.