OMS aumenta para 658 os casos de gripe suína no mundo

Novo relatório da Organização Mundial de Saúde sobre a doença inclui 16 países, agora com a Costa Rica

Efe,

02 Maio 2009 | 17h29

Pelo menos 658 pessoas foram contagiadas até agora pelo vírus da gripe suína no mundo todo, segundo os últimos dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), que incluem pela primeira vez a Costa Rica, com um caso. Segundo o último relatório da OMS, das 15h (pelo horário de Brasília), ao todo 16 países reconheceram a existência de pessoas infectadas dentro de seu território.

 

Veja também:

especial Mapa: veja como a gripe está se espalhando

especialEntenda a gripe suína: perguntas e respostas 

video Infectologista esclarece cuidados que serão tomados 

mais imagens Veja galeria de fotos da gripe suína pelo mundo   

som 'Meios de transportes facilitam a propagação'

documento Folheto oficial do Ministério da Saúde 

 

A lista é liderada pelo México, com 397 casos, incluindo 16 mortes, seguido dos Estados Unidos, com 160 casos, e uma vítima fatal. Os dados não correspondem exatamente aos casos reconhecidos pelos governos de cada país porque a OMS demora mais tempo para compilar e cruzar todas as informações. No caso específico do México as autoridades falam em 427 casos, e nos Estados Unidos em 160. A Irlanda anunciou neste sábado o primeiro caso oficial da doença no país, mas os números da OMS ainda não computam a infecção.

 

No México, o número de infectados aumentou neste sábado de 381 para 427, embora as autoridades tenham divulgado dados segundo os quais a propagação do vírus pode ser menor do que se temia. O governo mantém um otimismo moderado após confirmar que nas últimas horas não aumentou o número de mortos em nível nacional.

 

Após analisar 1.105 amostras de pacientes que adoeceram no México e apresentavam sintomas suspeitos, as autoridades médicas confirmaram que 427 casos, menos da metade, correspondem a contagiados com o vírus AH1N1, causa comprovada da morte de outras 16 pessoas em todo o país.

 

Diplomacia

 

Apesar destes dados mais encorajadores, vários países tomaram medidas contra a entrada de cidadãos mexicanos em seus territórios, o que levou a chanceler mexicana, Patricia Espinosa, a criticar duramente essas medidas "discriminatórias e carentes de fundamento".

 

Em entrevista coletiva, ela disse que está surpreendida pela decisão de países "irmãos" como Peru, Argentina, Cuba e Equador de suspender unilateralmente os voos para o México e rejeitou a decisão das autoridades chinesas de isolar "em condições inaceitáveis" turistas mexicanos.

 

Trata-se de uma família de cinco mexicanos que foram levados à força para um hospital e, depois, impedidos de deixá-lo até que a embaixada do México na China interveio, permitindo que eles fossem transferidos para um hotel.

 

Por esta razão, a chancelaria mexicana recomendou aos seus cidadãos que evitem viajar para a China "enquanto não se corrigirem essas medidas". "Não há justificativa nenhuma para violentar os direitos de cidadão algum, nem para adotar medidas que não têm base científica nem de saúde pública", advertiu a ministra.

 

No hotel Metro, Park de Hong Kong, 300 pessoas, entre hóspedes e empregados, permanecem confinadas após as autoridades ditarem uma quarentena pela confirmação de um caso da gripe suína em um turista mexicano que estava hospedado nele e foi levado para um hospital.

 

A chanceler mexicana também criticou a decisão da Colômbia de se negar a sediar em Bogotá os jogos dos times mexicanos de futebol Chivas e San Luís - adversário do São Paulo - pela Copa Libertadores.

 

A OMS mantém seu nível de alerta mundial no nível 5 (de uma escala de 6) e despachou 2,4 milhões de caixas do remédio antiviral Tamiflu a 72 países, a começar pelo México.

 

Veja a lista completa por países, segundo a OMS:

México: 397

EUA: 160

Canadá: 51

Reino Unido: 15

Espanha: 13

Alemanha: 6

Nova Zelândia: 4

Israel: 3

França: 2

Holanda: 1

China (Hong Kong): 1

Coreia: 1

Áustria: 1

Costa Rica: 1

Dinamarca: 1

Suíça: 1

Mais conteúdo sobre:
Gripe Suína OMS

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.