OMS aumenta para 787 os casos confirmados de gripe suína

Organização Mundial de Saúde diz que doença foi detectada em 17 países e que 20 pessoas já morreram

Agências internacionais,

03 Maio 2009 | 09h08

A gripe suína já foi detectada em 17 países e o número de casos confirmados subiu para 787, informou neste domingo, 3, a Organização Mundial da Saúde (OMS). O México informou sobre 506 casos oficiais de infecções humanas causadas pelo vírus A (H1N1), incluindo 19 mortes. A OMS indicou que o aumento de casos no país latino-americano reflete os resultados que estão recebendo de amostras coletadas previamente.

 

Veja também:

Brasil registra 14 casos suspeitos e aperta controles

Mortos pela gripe suína no México sobem para 19

especial Mapa: veja como a gripe está se espalhando

especialEntenda a gripe suína: perguntas e respostas 

video Infectologista esclarece cuidados que serão tomados 

mais imagens Veja galeria de fotos da gripe suína pelo mundo   

som 'Meios de transportes facilitam a propagação'

documento Folheto oficial do Ministério da Saúde 

 

O governo dos Estados Unidos anunciou 160 casos confirmados em laboratório, incluindo a única morte pela doença registrada neste país. Os países com casos confirmados pela OMS, mas sem mortes, são: Áustria (1), Canadá (70), Hong Kong (1), Costa Rica (1) Dinamarca (1), França (2), Alemanha (6), Irlanda (1), Israel (3), Holanda (1), Nova Zelândia (4), Coreia do Sul (1), Espanha (13), Suíça (1) e Reino Unido (15). Além disso, os governos da Colômbia e da Itália anunciaram neste fim de semana os primeiros casos da doença no país, mas a informação ainda não foi confirmada pela OMS.

 

O ministro de Proteção Social da Colômbia, Diego Palacio, afirmou neste domingo o doente está em boas condições e está em casa, acompanhado da sua família. Segundo Palacio, o governo colombiano vai anunciar medidas para controlar a crise pela chegada da gripe suína ao país. Palacio disse que, no país, aumentou para 108 o número de casos suspeitos, dos quais quatro são de pessoas que estão hospitalizadas.

 

O Ministério da Saúde italiano confirmou neste domingo o segundo caso de gripe suína na Itália, depois que no sábado foi anunciado que a primeira pessoa contagiada já está recuperada. Trata-se de um jovem de 25 anos, vindo do México, que se encontra "bem", após ser tratado com antivirais, e que está atualmente isolado em casa com a companheira sob tratamento profilático, em Roma.

 

Na Espanha, apesar dos 13 casos até agora confirmados pela OMS, o governo aumentou o número de casos confirmados da gripe. Agora são 40 os doentes no país. Além disso, o Ministério de Saúde espanhol baixou de 99 para 83 os casos suspeitos. "Trinta e quatro pacientes, dos 40 confirmados até o momento, já receberam alta e estão em suas casas", afirmou o ministério em nota. "Todos os casos apresentaram quadro clínico leve e uma resposta favorável ao tratamento".

 

A OMS indicou ainda que o Canadá informou sobre a identificação do vírus A (H1N1) em um grupo de porcos na província de Alberta. "É altamente provável que os porcos estivessem expostos ao vírus por um fazendeiro canadense que tinha retornado recentemente de uma viagem ao México, que tinha mostrado sintomas de gripe e teve contato com esses animais", explicou a organização. A entidade esclareceu, no entanto, que não há indicação, até o momento, de uma adaptação do vírus para que possa ser transmitido de humanos a porcos.

 

A OMS repetiu mais uma vez que não há risco de infecção por comer carne de porco bem cozida ou produtos provenientes deste animal. Neste sentido, a Organização Mundial do Comércio (OMC), a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO) e a Organização Mundial para a Saúde Animal (OIE) emitiram uma declaração conjunta apoiando a posição da OMS. "Não há evidência de que o vírus seja transmitido pela comida", lembraram, por isso disseram que não existe justificativa para a imposição de medidas comerciais que restrinjam as importações de porcos e derivados.

Mais conteúdo sobre:
gripe suína OMS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.