Aly Song/Reuters
Aly Song/Reuters

OMS cobra mais impostos sobre tabaco para combater o fumo

De acordo com a organização, que considera taxação muito baixa, uma pessoa morre de doenças relacionadas a cada seis segundos

O Estado de S. Paulo

07 Julho 2015 | 14h50

Poucos governos fazem pleno uso dos impostos sobre o tabaco para dissuadir as pessoas de fumar ou ajudá-las a reduzir o consumo e parar, disse a Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta terça-feira, 7, ao recomendar que pelo menos 75% do preço de um maço de cigarros deva ser de taxas. 

No relatório A Epidemia Mundial de Tabaco 2015, a agência de saúde da Organização das Nações Unidas (ONU) aponta que uma pessoa morre de doenças relacionadas ao tabaco aproximadamente a cada seis segundos, o equivalente a cerca de 6 milhões de pessoas por ano. Esse número deve aumentar para mais de 8 milhões de pessoas por ano até 2030 se não forem tomadas medidas fortes para controlar o que a OMS chama de "epidemia do tabaco". 

Há 1 bilhão de fumantes em todo o mundo, mas vários países têm impostos extremamente baixos sobre o tabaco, e alguns não impõem nenhuma taxação sequer sobre o produto, segundo a agência. 

"Aumentar os impostos sobre os produtos do tabaco é um dos meios mais eficazes - e de melhor relação custo-benefício - para reduzir o consumo de produtos que matam e, ao mesmo tempo, gerar receitas substanciais", disse a diretora-geral da OMS, Margaret Chan.

A diretora da OMS pediu a todos os governos que examinem as evidências e "adotem uma das melhores opções de política ganha-ganha disponíveis para a saúde". 

O fumo é um dos quatro principais fatores de risco por trás de doenças não transmissíveis - a maioria dos tipos de câncer, doenças cardiovasculares e pulmonares e diabetes. Em 2012 essas doenças mataram 16 milhões de pessoas com menos de 70 anos, sendo mais de 80% dessas mortes nos países pobres ou de renda média. 

Douglas Bettcher, um especialista da OMS sobre a prevenção de doenças não transmissíveis, citou evidências de países como a China e a França, onde a imposição de impostos mais elevados sobre o tabaco levou à redução do consumo e ajudou as pessoas a parar de fumar. /REUTERS

Mais conteúdo sobre:
Cigarro tabagismo OMS

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.