OMS confirma 11,1 mil casos e 86 mortes por gripe suína

Na quinta-feira, o governo brasileiro confirmou que um morador de SP é o nono caso da doença no País

Agência Estado,

22 Maio 2009 | 09h42

Sobe para 9 número de casos de Influenza A no Brasil
SÃO PAULO- O balanço diário da Organização Mundial de Saúde (OMS) contabilizou nesta sexta-feira, 22, 11.168 casos confirmados por testes da gripe suína em 42 países. A entidade registra 86 mortes pelo vírus. No balanço da quinta-feira, a OMS apontava 11.034 ocorrências e 85 mortes.

 

Veja também:

especial Mapa: veja como a gripe está se espalhando

especialEntenda a gripe suína: perguntas e respostas 

video Infectologista esclarece cuidados que serão tomados 

mais imagens Veja galeria de fotos da gripe suína pelo mundo   

som 'Meios de transportes facilitam a propagação'

documento Folheto oficial do Ministério da Saúde

 

A doença continua a se concentrar nas Américas. Os Estados Unidos registraram 5.764 casos, incluindo 9 mortes. No México, há 3.892 ocorrências, com 75 mortes. O Canadá tem 719 casos e uma morte. Na Costa Rica há 20 doentes e foi confirmada uma morte.

Na quinta-feira, o governo brasileiro anunciou o nono caso da doença no País. Um morador de São Paulo que voltou dos EUA teve os sintomas um dia após voltar da viagem. Ele foi internado e passa bem.

Há 294 casos registrados no Japão. O Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças afirmou, no fim da quinta-feira, que dez novos casos foram registrados no continente, elevando o total na Europa para 290.

As autoridades italianas ordenaram, no início da sexta-feira, o fechamento de duas escolas em Roma. Nessas instituições, houve casos de alunos que contraíram o vírus quando viajaram para os EUA.

Autoridades nos Emirados Árabes informaram nesta sexta-feira que colocaram um passageiro de avião vindo do Canadá em quarentena. Caso se confirme, este seria o primeiro caso de influenza (H1N1) na região do Golfo Pérsico.

A OMS mantém o alerta para o risco de pandemia em 5, em uma escala de 1 a 6. A fase 6, chamada pela OMS de pandêmica, é caracterizada por epidemias em pelo menos um país de fora da região onde se originou a doença, no caso as Américas. Segundo a OMS, caso seja elevado o alerta para fase 6, isso significa que há uma pandemia ocorrendo.

A OMS recomenda aos doentes que evitem viagens internacionais. Além disso, os que apresentarem sintomas da doença após viagens internacionais devem buscar auxílio médico.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.