OMS confirma 1.490 casos de gripe suína, com 30 mortes

Maioria das novas confirmações vem do México, explica funcionário da agência internacional

Associated Press,

05 Maio 2009 | 14h28

A Organização Mundial da Saúde (OMS) elevou a contagem global de casos confirmados de gripe suína, provocada pelo vírus A/H1N1, a 1.490, com 30 mortes, sendo 29 no México e uma nos Estados Unidos.

 

Veja também

especial Mapa: veja como a gripe está se espalhando

especialEntenda a gripe suína: perguntas e respostas 

video Infectologista esclarece cuidados que serão tomados 

mais imagens Veja galeria de fotos da gripe suína pelo mundo   

som 'Meios de transportes facilitam a propagação'

documento Folheto oficial do Ministério da Saúde  

 

A principal autoridade ad OMS para gripe,  Keiji Fukuda, disse que a maior parte das novas confirmações vem do México, com 822 casos. Os Estados Unidos têm  403.

 

Os seguintes países informam casos confirmados laboratorialmente, mas sem mortes: Áustria (1), Canadá (140), China (Hong Kong) (1), Colômbia (1), Costa Rica (1), Dinamarca (1), El Salvador (2), França (4), Alemanha (9), Irlanda (1), Israel (4), Itália (5), Holanda (1), Nova Zelândia (6), Portugal (1), Coreia do Sul (2), Espanha (57), Suíça (1) e Reino Unido (27).

 

Na madrugada desta terça, o último boletim divulgado pela OMS aumentava para 1.124 o número de casos de gripe confirmados em 21 países, com 26 mortos.

 

Na segunda-feira, a contagem havia parado em 1.085 casos, com 26 mortes. Os números da OMS não acompanham os dados divulgados por autoridades sanitárias nacionais, porque a agência só atualiza sua contagem ao receber notificações por escrito dos governos. O mapa do estadao.com.br que contabiliza os números da gripe se baseia nesses dados divulgados por autoridades sanitárias nacionais e não nos números da OMS.

 

Fukuda disse ainda que pacientes que se recuperam da infecção pelo A/H1N1 estarão mais protegidos contra um vírus semelhante que venha a surgir no futuro.

 

Fukuda afirmou que as infecções por gripe geralmente oferecem um nível de imunidade que dura "por uns dois anos".

 

Depois desse tempo, mutações do vírus permitem que a imunidade adquirida seja superada, disse ele.

Mais conteúdo sobre:
gripe suína

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.