OMS confirma 2.500 casos de H1N1 no mundo; 46 mortes

Organização decide manter o nível de alerta mundial em fase 5, um ponto abaixo do máximo da escala

da Redação,

08 Maio 2009 | 14h31

Boletim divulgado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) no início da tarde desta sexta-feira, 8, informa que 25 países têm casos confirmados da gripe a(H1N1), ou gripe suína, num total de 2.500 pacientes infectados. O México tem 1.204 casos confirmados em laboratório, com 44 mortes. Os EUA, 896 casos, com duas mortes. Os números da OMS diferem dos divulgados pelos governos - os EUA anunciaram nesta tarde 1.639 pacientes da doença -  porque a organização só contabiliza os casos depois que lhe são comunicados formalmente.

 

Veja também:

especial Mapa: veja como a gripe está se espalhando

especialEntenda a gripe suína: perguntas e respostas 

video Infectologista esclarece cuidados que serão tomados 

mais imagens Veja galeria de fotos da gripe suína pelo mundo   

som 'Meios de transportes facilitam a propagação'

documento Folheto oficial do Ministério da Saúde 

 

Pelos números da OMS, os seguintes países também apresentam casos da doença, sem mortes: Áustria (1), Brasil (4), Canadá (214), Hong Kong (China) (1), Colômbia (1), Costa Rica (1), Dinamarca (1), El Salvador (2), França (12), Alemanha (11), Guatemala (1), Irlanda (1), Israel (7), Itália (6), Holanda (3), Nova Zelândia (5), Polônia (1), Portugal (1), Coreia do Sul (3), Espanha (88), Suécia (1), Suíça (1) and Reino Unido (34).

 

A OMS optou por manter o nível de alerta da gripe H1N1 em fase 5, um abaixo do máximo da escala. A declaração de fase 6 significaria que há uma epidemia global em curso, com ampla disseminação do vírus em pelo menos duas regiões distintas do mundo.

 

Também nesta tarde, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse nesta sexta-feira a líderes da comunidade hispânica que o vírus da gripe H1N1 aparentemente não é tão virulento como se temia, mas que os EUA não estão completamente fora de risco.      

 

                          

"Quero assegurar a todos que estamos vendo que o vírus talvez não seja tão virulento como nós temíamos inicialmente, mas ainda não estamos fora de risco", disse Obama.                                

"Ainda temos que tomar precauções."                                

Mais conteúdo sobre:
gripe suína influenza A(H1N1)

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.