OMS confirma 615 casos e 17 mortes por gripe suína no mundo

Aumento nas confirmações se deve a chegada de testes de laboratório de pessoas que já foram tratadas

Efe,

02 Maio 2009 | 05h51

O número de casos de gripe suína confirmados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) praticamente duplicou nas últimas 24 horas e agora chega a 615 - incluindo 17 mortes - em 15 países.

 

Veja também:

especial Mapa: veja como a gripe está se espalhando

especialEntenda a gripe suína: perguntas e respostas 

video Infectologista esclarece cuidados que serão tomados 

mais imagens Veja galeria de fotos da gripe suína pelo mundo   

som 'Meios de transportes facilitam a propagação'

documento Folheto oficial do Ministério da Saúde 

 

Só o México reportou 397 casos confirmados de infecções humanas causadas pelo novo vírus, sendo que 16 deles derivaram em morte, informou a OMS.

 

O aumento de 241 casos, na comparação feita com os números divulgados sobre o México horas antes, é porque estão sendo obtidos os resultados de mostras que tinham sido enviadas a laboratórios para análise.

 

Os Estados Unidos informaram oficialmente 141 casos, incluindo a morte de um bebê de 23 meses, que era mexicano e passava férias no Texas.

 

Seguem com casos confirmados, mas sem mortes: Áustria (1), Canadá (34), China - Hong Kong - (1), Dinamarca (1), França (1), Alemanha (4), Israel (2), Holanda (1), Nova Zelândia (4), Coreia do Sul (1), Espanha (13), Suíça (1) e Reino Unido (13).

 

 

A OMS reiterou que não recomenda a restrição de viagens regulares e o fechamento de fronteiras. Porém, a organização disse considerar "oportuno que as pessoas doentes adiem viagens internacionais" e que aqueles que desenvolvam sintomas e tenham estado no exterior recentemente busquem atendimento médico.

 

Além disso, a Organização "assegurou que não há risco de infecção por comer carne de porco bem cozida ou produtos provenientes desse animal".

 

A OMS insistiu também em seus conselhos para que as pessoas reforcem as medidas de higiene pessoal, espacialmente lavar as mãos mais frequentemente com sabão.

 

Novos casos

 

Autoridades sanitárias da Alemanha analisam o caso de um paciente com sintomas de gripe que pode estar com o vírus A H1N1. Se trata de um alemão que veio de Fortaleza e que, por trabalhar no setor turístico, pode ter entrado em contato com pessoas vindas do México. Até agora, o país registrou seis casos da doença.

 

Na Itália, um paciente que chegou do México no dia 24 de abril foi diagnosticado com a doença por autoridades sanitárias regionais da Toscana, mas o ministério da Saúde do país ainda não se pronunciou oficialmente sobre o caso.

 

Um terceiro caso da gripe foi registrado em Israel, em um homem de 34 anos que regressou do México recentemente, segundo fontes oficiais. O infectado foi internado no hospital Ichilov, de Tel Aviv, onde ficou em uma seção isolada.

 

Até então, a gripe só havia sido diagnosticada em dois israelenses, um de 26 e outro de 49 anos. Ambos puderam deixar o hospital ao estar recuperados.

 

O número de casos confirmados na Espanha subiu para 15, após a confirmação por análises de novos contagiados na Comunidade Valenciana, segundo o Ministério da Saúde.

 

As autoridades espanholas também informaram que o número de pessoas que estavam sendo examinadas por suspeitas de apresentar a doença caiu a 103.

 

"No total, de todas as investigações realizadas até agora já foram descartados 56 casos", disse um comunicado do Ministério.

 

Do total de 15 casos confirmados, seis foram localizados na Catalunha, outros três na Comunidade Valenciana, dois em Madri, outros dois em Castilla-La Mancha, um em Múrcia e outro no País Basco.

 

O Ministério reiterou que a situação de todos os afetados não é grave e que os pacientes se encontram estáveis, respondendo bem ao tratamento, Todos os contagiados, exceto um, haviam viajado recentemente para o México.

Mais conteúdo sobre:
gripe suína

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.