Reuters
Reuters

OMS declara Senegal livre de surto de Ebola

Segundo a entidade, o país agiu rapidamente para frear a doença e deu 'bom exemplo'; vírus chegou por jovem que havia visitado Guiné

Jamil Chade, Correspondente de O Estado de S. Paulo

17 Outubro 2014 | 10h52

GENEBRA - Em meio a sinais negativos e uma crise que ganha uma dimensão cada vez maior, a Organização Mundial da Saúde (OMS) comemora pelo menos uma boa notícia: o fim do surto de Ebola no Senegal. 

Em um comunicado, a entidade declara o fim do vírus no país e felicita o governo por agir de forma eficiente para impedir que os casos se espalhassem. 

O vírus do Ebola chegou ao Senegal no dia 29 de agosto, por meio de um jovem que havia saído da Guiné para Dacar, pela estrada. Foi na Guiné que ele teve contato direto com pessoas com o vírus.

"A resposta do Senegal é um bom exemplo do que fazer quando um país se depara com um caso importado", declarou a OMS. "O governo agiu rapidamente para frear a doença." 

Segundo a entidade, o governo identificou e passou a monitorar 74 pessoas que tiveram contato com o paciente. Testes passaram a ser feitos em todos os pontos de entrada do país, além de campanhas. 

O caso ainda levou ao país equipes da OMS, da entidade Médicos Sem Fronteira e do governo norte-americano. 

No dia 5 de setembro, testes indicaram que o paciente já estaria curado. Dez dias depois, ele retornou para a Guiné. 

Por 42 dias, porém, o Senegal manteve um alerta sobre a doença, duas vezes o tempo de incubação de um vírus. 

Apesar de o surto ter oficialmente acabado, a OMS alerta que a posição geográfica do Senegal continua a fazer do país um dos mais vulneráveis a um evento novo surto. A entidade, portanto, pede que o governo continue "vigilante".

Mais conteúdo sobre:
Ebola OMS Senegal

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.