Joe Giddens/AFP
Joe Giddens/AFP

OMS descarta imunidade coletiva para covid-19 ainda em 2021

Segundo diretora da OMS, distribuição da vacina 'leva tempo' e uso de máscaras e distanciamento continuarão fazendo parte do dia a dia da humanidade 'pelo menos até o fim deste ano'

Redação, O Estado de S.Paulo

12 de janeiro de 2021 | 11h08

As campanhas de vacinação em massa, que começam a fazer frente ao rápido avanço da covid-19, não serão suficientes para garantir a imunidade coletiva ainda em 2021, alertou a Organização Mundial da Saúde (OMS), nesta segunda-feira, 11. A OMS advertiu que o uso de máscaras, o distanciamento e a higiene continuarão fazendo parte do dia a dia da humanidade "pelo menos até o fim deste ano". 

"Não vamos atingir nenhum nível de imunidade da população, ou imunidade de rebanho em 2021", declarou a chefe da equipe científica da OMS, Soumya Swaminathan, em entrevista coletiva. A distribuição da vacina "leva tempo", explicou ela. 

Um ano após Pequim confirmar a primeira morte por covid-19, na cidade central de Wuhan, uma equipe de especialistas da OMS chegará ao país nesta semana para iniciar a investigação sobre a origem do coronavírus. A China confirmou ontem que os dez especialistas da OMS desembarcam na quinta-feira, 14, para realizar "investigações conjuntas com cientistas chineses", segundo um breve comunicado do Ministério da Saúde.

Sob pressão internacional, principalmente dos Estados Unidos e da Austrália, para uma investigação independente, a visita é muito sensível para o regime chinês, preocupado com evitar qualquer responsabilidade na pandemia que virou o planeta de cabeça para baixo. "Trata-se de compreender as origens da pandemia, não de encontrar um culpado", disse o diretor de questões de emergência de saúde da OMS, Michael Ryan. 

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, também disse que a agência "foi informada pelo Japão, no fim de semana, sobre uma nova variante do vírus". A nova variante, que possui 12 mutações, entre elas uma das variantes identificadas no Reino Unido e na África do Sul, foi identificada em quatro viajantes procedentes do Brasil

No mundo, o coronavírus já infectou mais de 90 milhões de pessoas, deixando mais de 1,94 milhão de mortos. 

Capacidade de produção

A empresa alemã BioNTech disse que poderá produzir milhões de doses de sua vacina, mais do que inicialmente esperado para este ano, aumentando a produção de 1,3 bilhão para 2 bilhões.

O laboratório, que se associou ao americano Pfizer para produzir a primeira vacina aprovada no Ocidente, também alertou que a covid-19 "provavelmente se tornará uma doença endêmica". As vacinas terão que lutar contra o surgimento de novas variantes virais e uma "resposta imunológica natural minguante", afirmou a Pfizer./Com informações da AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.