OMS deve mudar escala de gravidade para pandemias de gripe

Até agora, a agência usa apenas a dispersão geográfica do vírus como indicador da fase de alerta de pandemia

Reuters,

05 Junho 2009 | 17h24

Especialistas em gripe aconselharam a Organização Mundial da Saúde (OMS) a fornecer dados sobre o perigo que representa o vírus H1N1 na próxima atualização do alerta de pandemia. A diretora-geral da organização, Margaret Chan, manteve uma teleconferência de uma hora com importantes cientistas internacionais para discutir os últimos desdobramentos da epidemia que infectou cerca de 22 mil pessoas.

 

Veja também:

especial Mapa: veja como a gripe está se espalhando

especialEntenda a gripe suína: perguntas e respostas 

video Infectologista esclarece cuidados que serão tomados 

mais imagens Veja galeria de fotos da gripe suína pelo mundo   

som 'Meios de transportes facilitam a propagação'

documento Folheto oficial do Ministério da Saúde 

 

Aparentemente, os especialistas apoiaram um plano apresentado por alguns dos 193 países-membros da OMS, que prevê a inclusão de uma avaliação de severidade nas próximas revisões do nível de alerta. Governos temem que a declaração de uma pandemia, sem que o perigo real da doença seja avaliado, pode desencadear pânico e provocar medidas custosas e desnecessárias.

 

Até agora, a agência usa apenas a dispersão geográfica do vírus como indicador da fase de alerta de pandemia. Chan já havia consultado o mesmo grupo de cientistas duas vezes, antes de elevar o nível de alerta no mês passado.

 

A doença, hoje, atinge 69 países. A OMS diz que Reino Unido, Espanha, Japão, Chile e Austrália aproximam-se de um estágio no qual a doença passa a se transmitir rapidamente de pessoa para pessoa dentro do país, e não por meio de viajantes vindos de áreas contaminadas.

 

 

Os especialistas também recomendaram que a produção de vacina para a gripe comum continue por enquanto. A gripe comum causa milhares de mortes pelo mundo a cada ano, e a OMS vêm se questionando sobre a conveniência de pedir ou não á indústria farmacêutica para passar a produzir uma vacina contra a nova epidemia, com prejuízo da vacina comum.

Mais conteúdo sobre:
gripe suína

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.