FELIPE RAU/ESTADAO
FELIPE RAU/ESTADAO

OMS divulga atualizações sobre uso de máscara; veja orientações

CONTEÚDO ABERTO PARA NÃO-ASSINANTES: Entidade recomenda máscaras de tecido para público em geral e ensina como fabricá-las

Guilherme Bianchini, especial para o Estadão

05 de junho de 2020 | 16h27

A Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou, nesta sexta-feira, 5, novas diretrizes sobre o uso de máscaras de proteção contra o coronavírus. A principal novidade em relação ao que vinha sendo recomendado por especialistas diz respeito às máscaras de tecido, que podem ser feitas em casa ou compradas em lojas. 

A entidade aconselha que o produto tenha pelo menos três camadas de tecidos diferentes para ser eficaz. A camada externa deve ser de um tecido impermeável, como o poliéster; a parte de dentro precisa ter um tecido que absorva água; já a camada intermediária deve conter um material que atue como filtro.

Segundo a OMS, as máscaras de tecido são recomendadas para o público em geral, em lugares onde há muitos infectados pela covid-19 e o distanciamento físico de ao menos um metro não pode ser atingido — como em transportes públicos, por exemplo.

“Chegamos ao consenso de que, quando as pessoas estão num ambiente público, o uso dessas máscaras oferece um certo grau de controle. Pode impedir que um infectado transmita a doença para outras pessoas”, disse April Baller, especialista do programa de emergências da OMS.

A orientação, porém, é de máscara cirúrgica, e não de tecido, para quem está incluso em um destes cinco grupos:

  • profissionais de saúde;
  • cuidadores de infectados pela covid-19;
  • pessoas com 60 anos ou mais;
  • doentes crônicos;
  • pessoas com sintomas da covid-19.

Todas as novas diretrizes da OMS foram baseadas em informações recentes, de uma pesquisa encomendada pela própria entidade. A organização ressaltou diversas vezes, porém, que o uso de máscara é uma medida paliativa, e deve ser adotada sempre em conjunto com os métodos de prevenção essenciais.

“Máscaras podem criar uma falsa sensação de segurança, levando pessoas a negligenciarem medidas como higienização das mãos e distanciamento físico. Máscaras, sozinhas, não protegem ninguém da covid-19. Elas não substituem as medidas de saúde pública. A meta de todos os países segue sendo encontrar, isolar, testar e cuidar de todos os casos, além de rastrear e colocar em quarentena todos os contatos”, esclareceu o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.