OMS diz que precisa de mais dados antes de decidir vacina

E por ora, a agência diz que mantém o alerta da doença em fase 5, o que indica pandemia 'iminente'

Reuters,

26 Maio 2009 | 14h03

A Organização Mundial da Saúde quer continuar a monitorar a disseminação do vírus H1N1, antes de emitir uma orientação para a produção de vacinas de gripe pandêmica,  disse um alto representante da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Veja também:

especial Mapa: veja como a gripe está se espalhando

especialEntenda a gripe suína: perguntas e respostas 

video Infectologista esclarece cuidados que serão tomados 

mais imagens Veja galeria de fotos da gripe suína pelo mundo   

som 'Meios de transportes facilitam a propagação'

documento Folheto oficial do Ministério da Saúde

 

"Estamos no processo do desenvolvimento mais básico da vacina", disse o diretor-geral assistente da organização, Keiji Fukuda.

 

O trabalho em andamento no estudo do vírus continuará até o fim de junho ou julho, depois do quê as empresas farmacêuticas podem começar a desenvolver vacinas, disse Fukuda.

 

A OMS espera fazer recomendações sobre o melhor equilíbrio entre uma vacina específica para a gripe H1N1 e outra para a gripe comum "em algum momento durante o verão" (do hemisfério norte), disse ele.

"Não queremos fazer a recomendação muito cedo porque estamos monitorando, diariamente, como a situação evolui".

 

na semana passada, a OMS havia decidido reformular sua escala de seis etapas para alerta de pandemia, a fim de refletir melhor a severidade do vírus circulante, e não apenas sua disseminação.

Fukuda disse que a agência planeja reunir cientistas e especialistas em saúde pública nas próximas semanas, para recolher sugestões de como ajustar as definições de pandemia.

 

Por ora, a OMS diz que mantém o alerta em fase 5, o que significa que uma pandemia é "iminente", e busca sinais de que outras regiões do mundo estejam sofrendo uma disseminação ampla do vírus, como a vista na América do Norte.

 

"Isso, em si, poderia ser o suficiente para nos levar á fase 6 de pandemia", disse ele.

O Reino Unido e outros países atingidos pela gripe pressionaram a assembleia anual da OMS, realizada na semana passada, para uma reelaboração da escala de alerta. 

 

Fukuda disse que altas autoridades da OMS concordaram que há riscos em chegar rápido demais ao nível máximo da escala.

 

 

"Se você for declarar fase 6 sem uma evidência muito clara de que há uma mudança na situação global, isso pode levar um trabalho extra para os países sem grandes benefícios, pode levar a um certo nível de pânico, pode levar a um certo nível de cinismo", disse ele.

 

Balanço

 

A OMS registrou, nesta terça-feira, pouco mais de 400 novos casos da gripe, em comparação com o balanço do dia anterior. Há atualmente, segundo a entidade, 12.954 ocorrências em 46 países, com 92 mortes. No balanço anterior, divulgado na segunda-feira, a OMS registrava 12.515 casos e 91 mortes.

 

Pelo levantamento da organização, há 80 mortes confirmadas no México, dez nos Estados Unidos, uma no Canadá e outra na Costa Rica. Os países com mais ocorrências registradas são EUA, com 6.754, e o México, com 4.174.

Mais conteúdo sobre:
gripe suína influenza A(H1N1)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.