OMS e Iraque investigam aumento anormal de câncer infantil no país

O estudo, que também vai avaliar possíveis causas ligadas à guerra, estará pronto dentro de um ano e meio

EFE, EFE

05 Outubro 2010 | 12h39

A Organização Mundial da Saúde (OMS) está ajudando o governo do Iraque a estudar o suposto aumento anormal de doenças congênitas e casos de câncer nas crianças do país.

 

A pesquisa conjunta foi anunciada na segunda-feira, 4, em entrevista coletiva da porta-voz da entidade, Fadela Chaib, que informou que a maioria dos casos foi registrada na cidade de Faluja.

 

"As autoridades iraquianas estão realizando um estudo em colaboração com a OMS em seis províncias do Iraque", afirmou Fadela.

 

O estudo estará pronto dentro de um ano e meio, já que é preciso avaliar os casos atuais e compará-lo com os analisados no passado, para determinar não só se há diferenças significativas nos números, mas também nos diferentes tipos da doença.

Mais conteúdo sobre:
omsiraquecâncer

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.