OMS mantém nível de alerta 5; gripe pode chegar a 2 bilhões

Órgão justificou decisão dizendo que vírus não está se disseminando muito fora da América do Norte

Reuters e EFE

07 Maio 2009 | 12h48

GENEBRA - A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou nesta quinta-feira, 7, que o novo vírus da gripe H1N1 não está se disseminando de uma maneira sustentável fora da América do Norte e decidiu manter na fase 5 o nível de alerta de pandemia, numa escala que vai até 6.  

 

Veja também:

especial Mapa: veja como a gripe está se espalhando

especialEntenda a gripe suína: perguntas e respostas 

video Infectologista esclarece cuidados que serão tomados 

mais imagens Veja galeria de fotos da gripe suína pelo mundo   

som 'Meios de transportes facilitam a propagação'

documento Folheto oficial do Ministério da Saúde 

A despeito disso, o diretor-geral adjunto da OMS, Keiji Fukuda, lembrou que a organização insiste desde o princípio da crise, há quase duas semanas, em que "a situação evolui, e não se sabe como isso vai acontecer".  

 

"Estamos caminhando rumo a uma pandemia", afirmou Fukuda, para quem "uma estimativa razoável é de que um terço da população mundial será infectada". Isso significa quase dois bilhões de pessoas contaminadas pelo novo vírus da gripe, mas, de acordo com o especialista, é impossível fazer previsões por enquanto de quanta gente poderia morrer.  

 

"Continuamos sem saber como o vírus vai evoluir. Embora a maioria dos casos seja leve até agora, isso pode mudar, e não sabemos quanta gente desenvolverá pneumonias graves, nem quantos morrerão", ressaltou Fukuda.  

 

Por isso, a OMS insiste em que este é o melhor momento para que os países se preparem adequadamente para o risco de uma pandemia.   A organização considera especialmente preocupante a possível expansão do vírus pelo hemisfério Sul, onde o inverno está próximo. Além disso, a região possui muitos países em desenvolvimento com população jovem e mais vulnerável.

Carne suína

A entidade reiterou ainda que o consumo de carne suína é seguro. "Comer carne suína não representa um perigo de contrair a infecção", afirmou Fukuda.

Cerca de 20 governos anunciaram restrições às importações de carne de porco do México e de outros países afetados, por temer infecções pela nova cepa do vírus, que pesquisadores dizem ser uma mistura de gripes suína, humana e aviária.

 

 

 

Ampliada às 15h46

Mais conteúdo sobre:
gripe suína influenza A(H1N1)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.