OMS não vê razão para elevar alerta de pandemia da gripe

Segundo representante da agência, não há sinal de grande disseminação do vírus fora da América do Norte

Reuters,

05 Maio 2009 | 15h24

O vírus A/H1N1, causador da gripe suína, não está se disseminando de forma sustentável fora do continente norte-americano, a despeito do grande número de infecções confirmadas na Espanha e no Reino Unido, disse um importante funcionário da Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta terça-feira, 5.

 

O diretor-geral em exercício da OMS, disse a jornalistas que a agência espera para ver se o vírus vai se disseminar em comunidades fora da América do Norte antes de declarar que há uma pandemia plena em curso - o que levaria a uma elevação do atual nível de alerta de fase 5 para o ponto máximo da escala, 6. "Não achamos que estejamos vendo isso neste momento", declarou.

 

Fukuda disse que a maior parte das infecções reportadas na Europa e na Ásia têm sido diretamente ligadas a viagens ao México, o epicentro da doença que infectou pelo menos 1.490 pessoas em 21 países, incluindo 54 na Espanha e 18 no Reino Unido.

 

Perguntado sobre esses grupos de casos, ele disse: "Neste momento não acreditamos que estejamos vendo transmissões nas comunidades da mesma forma que estamos vendo transmissão de comunidade dos Estados Unidos e no México".

 

 

"Na Espanha os casos estão muito relacionados a viagens. No Reino Unido, há infecções em escolas, relacionadas a viagem, mas quando falamos em transmissão de comunidade nos referimos à comunidade em geral, não apenas dentro de instituições", explicou.

 

Brasil

 

No Brasil, o Ministério da Saúde contabiliza 28 casos suspeitos, e 28 outros casos em observação. Setenta outros casos já foram descartados. O número de casos suspeitos está distribuído da seguinte forma: São Paulo (12), Minas Gerais (3), Distrito Federal (2), Rio de Janeiro (2), Santa Catarina (2), Tocantins (2), Goiás (1), Mato Grosso do Sul (1), Paraíba (1), Pernambuco (1) e Rondônia (1).

 

Mais conteúdo sobre:
gripe suína

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.