OMS nega influência de interesse comercial na pandemia H1N1

Organização Mundial de Saúde foi criticada em artigo publicado em revsita médica do Reino Unido

EFE

08 Junho 2010 | 13h38

A diretora-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Margaret Chan, negou, em declaração pública, as acusações de que a entidade exagerou na gravidade do vírus A(H1N1), o que permitiu as farmacêuticas alcançarem grandes lucros.

 

OMS diz que pandemia de gripe H1N1 prossegue

Campanha chega ao fim, mas vacinação contra H1N1 segue nos municípios

 

"A decisão de elevar o nível de alerta pandêmico (à fase mais alta) foi baseado em critérios epidemiológicos claramente definidos", afirmou a responsável pelo organismo.

 

Esta declaração é uma reação a um extenso artigo publicado pela revista científica British Medical Journal (BMJ), que enumera fatos colocando em dúvida a imparcialidade das decisões da OMS com relação à pandemia da gripe A.

 

Na próxima sexta-feira faz um ano da declaração da pandemia, quando os sistemas de saúde de todo o mundo entraram em alerta máximo e adotaram medidas excepcionais para enfrentar a propagação do vírus.

 

Na semana passada, Chan decidiu manter o estado de pandemia e determinou a revisão até o próximo mês, após receber uma recomendação nesse sentido do comitê de emergência da OMS, composto por cientistas que avaliam periodicamente o assunto.

 

Segundo a BMJ, alguns especialistas que participaram das decisões da OMS diante da gripe pandêmica receberam remunerações da indústria farmacêutica, concretamente da Roche e GlaxoSmithKline, fabricantes de remédios e vacinas contra a infecção.

 

O artigo do BMJ foi publicado em coordenação com outro na mesma linha produzido pelo escritório de jornalismo de investigação de Londres, que acusa à OMS de "falta de transparência" na gestão da crise.

Em resposta aos editores do BMJ, Chan afirma que "o bom jornalismo de investigação expõe problemas e suas consequências".

 

"Potenciais conflitos de interesse são inerentes a qualquer relação entre uma norma, uma agência de regulação, como a OMS, e uma indústria regida pela rentabilidade".

 

Acrescenta que por isso a "OMS precisa estabelecer e fazer cumprir as regras mais estritas com relação às normas de trabalho

com a indústria, e assim estamos fazendo".

 

A diretora-geral do organismo esclarece que "em nenhum momento, nem por um segundo, interesses comerciais interferiram nas suas decisões".

 

Com relação à acusação de que entidade sanitária gerou o pânico injustificado, Chan lembra que - em cada avaliação da pandemia - a entidade informou ao público que a maioria dos pacientes apresentava sintomas leves e a recuperação era rápida, sem a necessidade de tratamento médico.

 

A responsável da OMS também nega que a decisão de manter em sigilo a identidade dos membros do comitê de emergência, que exerce de autoridade científica no tema da pandemia, teve o objetivo de "encobrir suas deliberações e decisões".

 

"Seus nomes serão publicados quando o comitê terminar o trabalho (ou seja, quando a declaração de pandemia for levantada)", afirma.

 

Às críticas à OMS se somou a da comissão de saúde do parlamento do conselho da Europa, que acusa à instituição de ter supervalorizado a gravidade da gripe e critica a rapidez da declaração de pandemia.

 

Este relatório será submetido ao plenário do órgão parlamentar em 24 de junho.

Mais conteúdo sobre:
gripe suína oms h1n1 pandemia bmj

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.