REUTERS/Denis Balibouse
REUTERS/Denis Balibouse

OMS pede cessar-fogo global para combate à pandemia de covid-19

Entidade considera a possibilidade de o novo coronavírus nunca ir embora, assim como o HIV

Guilherme Bianchini, especial para O Estado

13 de maio de 2020 | 15h22

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, pediu nesta quarta-feira, 13, um cessar-fogo global como forma de combater a pandemia do novo coronavírus. Um dia após um hospital-maternidade do Médicos Sem Fronteiras (MSF) no Afeganistão sofrer um atentado que já deixou mais de 20 mortos, entre profissionais de saúde, mães e bebês, Tedros afirmou que saúde e paz precisam andar juntas.

“Fiquei chocado com o ataque. Civis e profissionais nunca deviam ser um alvo. A transformação da saúde em arma é prejudicial a todos. Precisamos de paz para a saúde e de saúde para a paz. E precisamos agora. Peço a todos que deixem a política de lado e deem prioridade a um cessar fogo-global para terminar com a pandemia. A cada dia sem um cessar-fogo, mais pessoas morrem de forma desnecessária”, disse o diretor.

De acordo com o diretor de operações da OMS, Michael Ryan, o coronavírus pode ter vindo para ficar, assim como o HIV, sem qualquer previsão de erradicação. Caso a ciência desenvolva uma vacina eficaz contra a covid-19, é preciso torná-la acessível a todos para que haja possibilidade de eliminar o vírus.

“O HIV nunca foi embora, mas encontramos tratamento e métodos de prevenção. As pessoas não estão assustadas como antes, podemos oferecer vida saudável a elas. Precisamos ser realistas, não há promessas e datas. Temos controle sobre o futuro, mas isso requer recursos políticos e apoio comunitário”, alertou Ryan. Tedros reforçou: “A trajetória está em nossas mãos”.

A diretora técnica da entidade, Maria Van Kerkhove, esclareceu dúvidas sobre o lockdown. Trata-se de uma série de medidas de restrição, e não apenas de um ato específico, explicou. A epidemiologista ressaltou, também, que esse tipo de isolamento não representa fechar um país inteiro. “Os países precisam detectar rapidamente os casos e tomar as medidas apropriadas. Lockdown não significa tudo ou nada”, afirmou.

Alerta em prisões

A OMS divulgou uma nota, nesta quarta, em que chama a atenção de líderes políticos para a vulnerabilidade de presos e de outras pessoas privadas de liberdade durante a pandemia do novo coronavírus. O órgão alertou que é urgente tomar todas as medidas preventivas para proteger o grupo e evitar a disseminação da covid-19 nos presídios.

Entre as orientações, a OMS reforça a necessidade de estabelecer um sistema atualizado de coordenação que envolva Saúde e Justiça, mantenha os funcionários da cadeia bem-informados e garanta o respeito aos direitos humanos de todos os envolvidos. A organização pede que os governantes considerem restringir prisões, incluindo as que ocorrem antes do julgamento. “A superlotação afeta saúde, segurança, higiene e a dignidade humana”, disse o diretor-geral, Tedros Ghebreyesus.

Além disso, a entidade de saúde afirmou que todos os centros de detenção e reabilitação compulsória devem ser fechados durante o período. Segundo a OMS, não há evidências da eficácia desses locais no tratamento e na reabilitação de dependentes químicos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.