Fabrice COFFRINI / AFP
Fabrice COFFRINI / AFP

OMS: Embora idosos corram maior risco, jovens e crianças também morreram por coronavírus

Organização Mundial da Saúde pediu que países isolem infectados e defendeu necessidade de comprometimento de líderes políticos 

Paulo Beraldo, O Estado de S.Paulo

16 de março de 2020 | 13h35
Atualizado 16 de março de 2020 | 15h41

A Organização Mundial da Saúde (OMS) pediu nesta segunda-feira, 16, que os países com casos do novo coronavírus isolem os infectados para prevenir o avanço da pandemiadestacando que ainda não há evidências claras sobre como o coronavírus se manifesta em crianças, mas que já houve mortes. 

"Sabemos que as crianças podem ser infectadas e que elas podem morrer por essa doença. Não podemos dizer universalmente que é (uma doença) leve em crianças", afirmou Maria van Kerkhove, diretora da área de doenças e zoonoses emergentes da OMS. 

Em sua fala, o diretor-geral Tedros Adhanom Ghebreyesus, defendeu a necessidade de as pessoas saberem qual pessoa lhe transmitiu o vírus e de manter as estratégias de contenção do risco. "A mensagem central é: testar, testar e testar", disse. "Você não consegue parar essa pandemia se não souber quem está infectado. Esta é uma doença séria. Embora as evidências sugiram que aqueles com mais de 60 anos corram maior risco, jovens, incluindo crianças, morreram", disse.

Ghebreyesus afirmou que crises como essa são um momento em que o melhor e o pior da humanidade afloram. "É a crise global definidora dos nossos tempos. Os próximos dias, semanas e meses serão um teste da nossa confiança na ciência e um teste de solidariedade. O espírito humano da solidariedade precisa se tornar mais infeccioso do que o vírus". 

A OMS lembrou ainda que mesmo que a pessoa não esteja se sentindo mal, pode infectar alguém por até 14 dias. Por isso, é preciso respeitar o período de duas semanas após o fim dos sintomas. Visitas não são permitidas. A instituição disse que as ações de contenção e medidas restritivas são fundamentais para reduzir a pandemia. 

Questionadas sobre a ida do presidente Jair Bolsonaro a um protesto com apoiadores, as autoridades da OMS não responderam diretamente, mas afirmaram que evitar eventos de massa é uma forma de contribuir para o fim da pandemia. "Precisamos de comprometimento político no maior nível porque essa pandemia não é só do setor da saúde, ela afeta todos os setores do governo. Os governos devem ser capazes de mobilizar a sociedade. Essa resposta depende de todos. É assim que podemos deter o vírus". 

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

Receba no seu email as principais notícias do dia sobre o coronavírus

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.