Arquivo/AE
Arquivo/AE

OMS reavaliará nesta terça o status de pandemia para a gripe suína

Especialistas analisarão se países têm condições de oferecer vacinas e remédios contra doença

Reuters

31 Maio 2010 | 10h22

O grupo de especialistas que avalia as pandemias para a Organização Mundial de Saúde (OMS) discutirá nesta terça-feira, 1, a possibilidade de decretar o fim do status de pandemia para a gripe suína.

 

Veja também:

linkGoverno usa internet para esclarecimentos sobre gripe suína

linkVacinas contra H1N1 podem alterar teste de HIV no laboratório 

linkEstudo sobre gestão da OMS frente à gripe suína será divulgado em 2011 

 

A OMS afirmou nesta segunda-feira em comunicado que o comitê emergencial iniciará uma teleconferência às 8h00 (horário de Brasília) na terça-feira e que o resultado da reunião será divulgado no fim do dia no site da organização.

 

No início deste mês, a OMS havia informado que o comitê vai considerar três opções de avaliação: manter o atual status de pandemia; comunicar que a pandemia está em fase de transição - para seu encerramento; e declarar que a pandemia está encerrada.

 

Na discussão, os especialistas avaliarão as condições do governo dos 193 países membros de continuar lidando com o surto do H1N1, como o nível do estoque de vacinas e medicamentos contra a doença.

 

A OMS vem sendo acusada de ter alarmado exageradamente os países sobre os riscos da gripe A para que, assustados, eles demandassem vacinas contra a doença. De fato o temor mundial quanto à gripe A impulsionou o rápido desenvolvimento de uma vacina e a compra em massa da mesma por parte de países em desenvolvimento, o que gerou lucros milionários aos laboratórios produtores. As investigações do grupo de cientistas independentes buscam agora constatar se o temor foi mal-intencionado.

 

Segundo dados da OMS, mais de 18 mil pessoas tiveram suas mortes confirmadas para gripe suína, mas o número real pode ser bem maior. O vírus H1N1 continua ativo em alguns países do Caribe e do sul da Ásia, além do Chile.

 

(Com agência Efe)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.