OMS revisa segurança de vacina para gripe após casos de narcolepsia

Estudo associou casos da 'doença do sono' à vacina Pandemrix de gripe H1N1, fabricada pela GlaxoSmithKline

Efe e Reuters,

01 Fevereiro 2011 | 15h05

HELSINQUE - A Organização Mundial de Saúde está revisando a segurança da vacina contra a gripe H1N1 Pandemrix, fabricada pela companhia farmacêutica GlaxoSmithKline, após a notificação de um estudo finlandês que sugere que crianças que receberam a imunização eram nove vezes mais propensas a contrair narcolepsia, um estranho transtorno do sono.

 

A narcolepsia é uma doença neurológica pouco comum que provoca alteração grave do sono, fazendo com que a pessoa durma sem motivo durante várias vezes ao dia.

 

Veja também:

link Sobreviventes do H1N1 desenvolvem superanticorpos para gripe

link Vírus H1N1, da gripe suína, começa a sofrer mutação, aponta estudo

 

O Instituto Nacional de Saúde e Bem-estar da Finlândia (THL) iniciou uma investigação em agosto para investigar a possível relação entre esta vacina e a narcolepsia, depois da detecção desta doença em 17 crianças finlandesas vacinadas com Pandemrix durante a última pandemia de gripe A H1N1.

 

O fenômeno levou às autoridades de saúde finlandesas a interromper o uso da vacina de forma preventiva até determinar seus possíveis efeitos colaterais.

 

As causas são desconhecidas, mas os cientistas consideram que é produto de uma combinação de fatores genéticos e ambientais, incluindo as infecções.

 

Estudo do instituto THL, entre 2009 e 2010, diagnosticou 60 casos de narcolepsia em crianças e adolescentes finlandeses com idades entre quatro e 19 anos, dos quais 52 (quase 90%) haviam recebido a vacina contra o vírus A H1N1 com Pandemrix.

 

"A associação observada é tão evidente que é pouco provável que outros fatores possam explicar plenamente o fenômeno", assinalaram os responsáveis do estudo em comunicado.

 

A maior parte dos quadros de narcolepsia aparece em crianças entre quatro e 15 anos, enquanto não detectaram nenhum caso em menores de quatro anos nem em jovens maiores de 19 anos.

 

"Com base nas análises preliminares, o risco de contrair narcolepsia em indivíduos entre quatro e 19 anos que foram vacinadas se multiplicou por nove, em comparação com os que não receberam a vacina", acrescentou o comunicado.

 

Para o instituto THL, a causa mais provável do fenômeno é o efeito conjunto da vacina com algum outro fator, por isso que nos próximos meses serão realizadas novas pesquisas de caráter epidemiológico, imunológico e genético.

 

Além da Finlândia, até o momento Suécia e Islândia detectaram aumento anormal de casos de narcolepsia infantil possivelmente relacionado à vacina Pandemrix, embora estejam realizando estudos adicionais em outros nove países da União Europeia.

Mais conteúdo sobre:
gripe AH1N1 vacina saúde

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.