OMS se reúne hoje e pode declarar pandemia de gripe suína

Aumento de casos no Japão no fim de semana e falta de sinais de estabilização nos EUA podem levar a alerta

Jamil Chade, correspondente de O Estado de S. Paulo,

18 Maio 2009 | 08h27

Com 129 casos no Japão, gripe suína dominará reunião da OMS

 GENEBRA - O governo americano alerta que o vírus H1N1 vai "circular por todo o mundo" e rejeita a tese de que o surto esteja acabando. "Não é isso que estamos vendo nos Estados Unidos", alertou Richard Bessert, representante do Centro de Controle de Doenças do governo americano (CDC).

Veja também:

especial Mapa: veja como a gripe está se espalhando

especialEntenda a gripe suína: perguntas e respostas 

video Infectologista esclarece cuidados que serão tomados 

mais imagens Veja galeria de fotos da gripe suína pelo mundo   

som 'Meios de transportes facilitam a propagação'

documento Folheto oficial do Ministério da Saúde  

 

Nesta segunda-feira, 18, a Assembleia Mundial da Saúde abriu sua reunião anual sob a ameaça da declaração de uma pandemia. Já são 8,8 mil casos da gripe, com 135 casos no Japão e mais de 100 na Espanha e Reino Unido.

"Conter não era possível. Decidimos nos concentrar em mitigação", afirmou Bessert. "O vírus deve circular por todo o mundo, deve ser transmitido, devemos ver mais casos e pressão sobre o sistema público de saúde", alertou.

"O surto não está acabando", disse o americano. Nesta segunda, o ministro da Saúde, José Gomes Temporão, pedirá que a OMS intervenha no processo e garanta acesso a remédios.

Surto se espalha no Japão

O número de casos da gripe suína no Japão chegou a 135, com mais 33 pacientes confirmados, segundo cálculos da agência de notícias Kyodo. Em meio à rápida disseminação do vírus no país, o primeiro-ministro Taro Aso pediu calma à população. Aso fez o pedido quando o total de casos estava em 92, de acordo com a contagem oficial.

Em uma reunião da força-tarefa do governo criada para cuidar da epidemia, Aso afirmou que as autoridades japonesas não pretendem pedir aos cidadãos para evitarem reuniões ou diminuírem a atividade nas empresas.

Morte em Nova York

A cidade de Nova York registrou a primeira morte causada pela gripe suína. A vítima era diretor de uma escola e morreu por complicações da doença, elevando para cinco o número de casos fatais nos Estados Unidos.

Segundo o porta-voz do hospital Flushing Medical Center, Andrew Rubin, Mitchell Wiener, de 55 anos, morreu esta noite após ter começado a manifestar os sintomas da doença há cerca de dez dias. No caso do professor, a gripe se combinou com outras complicações para causar sua morte, disse Rubin.

 

Balanço

Segundo o balanço diário da Organização Mundial da Saúde (OMS), a gripe suína atinge 8.480 pessoas em 39 países. O México responde por 2.895 casos, com 66 mortes. Nos EUA, 4714 pessoas ficaram doentes e quatro morreram. O Canadá tem 496 casos e uma morte. A Costa rica tem nove contaminações e uma morte.

Os outros países atingidos segundo o balanço, que registra apenas dados oficiais reportados pelos governos de cada país, são Espanha (103), Reino Unido (83), Panamá (54), França (14), Alemanha (14), Colômbia (11), Nova Zelândia (9), Itália (9), Brasil (8), Israel (7), , Japão (7), China (5), Bélgica (4), El Salvador (4) Guatemala (3), Holanda (3)Cuba (3),Coreia do Sul (3), Suécia (3), Finlândia (2), Noruega (2), Malásia (2), Tailândia (2),  Argentina (1), Austrália (1), Áustria (1) Dinamarca (1), Equador (1), Índia (1), Irlanda (1), Peru (1), Polônia (1), Portugal (1),  Suíça (1) e Turquia (1).

(Com Efe)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.