ONG seleciona crianças no Rio para reconstrução facial gratuita

Principal problema é a fissura labial que tem consequências que vão muito além da estética, ocasionando muitas vezes problemas auditivos, infecções crônicas e má nutrição

Agência Brasil,

01 de junho de 2012 | 12h39

 A organização não governamental Operação Sorriso Brasil (OSB) seleciona nesta sexta-feira, 1º, pacientes portadores de deformidades faciais para cirurgias reconstrutivas gratuitas. A Operação Sorriso é uma organização médico-humanitária que tem como objetivo principal levar tratamento gratuito para as crianças portadoras de deformidades faciais.

A organização reúne cerca de 70 colaboradores voluntários de diversos países, de especialidades como cirurgia plástica, enfermagem, anestesia, psicologia, ortodontia, fonoaudiologia e pediatria.

A Operação Sorriso é a maior organização mundial dedicada exclusivamente a crianças portadoras de necessidades especiais, atuando em 60 países, com mais de 200 mil crianças operadas. No Brasil, as ações começaram em 1997, com mais de 70 mil exames e avaliações e acima de 5 mil cirurgias em dez estados.

“A gente fala muito em crianças, mas na verdade não existe limite de idade. A prioridade são os pacientes infantis, mas a Operação Sorriso atende a qualquer paciente com abertura labial que chegar ao hospital”, explica o diretor executivo da OSB, Clóvis Brito.

De acordo com o diretor, a operação pretende selecionar cerca de 100 pacientes para as cirurgias entre os dias 4 e 8 de junho no Hospital Universitário Pedro Ernesto, em Vila Isabel, zona norte da capital fluminense.

Segundo a ONG, o objetivo de suas ações é devolver dignidade, funcionalidade e auto-estima para as crianças. O principal problema é a fissura labial que tem consequências que vão muito além da estética, ocasionando muitas vezes problemas auditivos, infecções crônicas, má nutrição, má-formação dos dentes e dificuldades na fala, que podem proporcionar baixa autoestima e problemas psicológicos.

A cirurgia reconstrutiva facial tem duração média de 45 minutos. Geralmente, o paciente é liberado para voltar para casa na manhã seguinte. Os pacientes e um parente que residam em outro município podem solicitar no dia hospedagem gratuita, oferecida pela Marinha do Brasil. A Operação Sorriso oferece ainda transporte ao hospital e alimentação gratuitos.

“Nós trouxemos aqui uma equipe de 70 profissionais, trabalhando em conjunto com os profissionais cariocas. São especialistas neste tipo de tratamento, para que a gente possa operar e melhorar a qualidade de vida dos pacientes do Rio de Janeiro”.

A Operação Sorriso tem parceria com a Secretaria de Saúde do Estado do Rio de Janeiro, Policlínica Piquet Carneiro, Hospital Universitário Pedro Ernesto e Marinha do Brasil. O programa conta com apoio de entidades civis e públicas, e com o patrocínio de diversas empresas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.