Scott Audette/Reuters
Scott Audette/Reuters

Ônibus espacial decola pela última vez encerrando programa de 30 anos

Lançamento do Atlantis nesta sexta-feira marca fim das missões com ônibus espaciais da Nasa

BBC Brasil, BBC

07 Julho 2011 | 08h30

O lançamento do ônibus espacial Atlantis, previsto para esta sexta-feira, marcará o fim do programa de 30 anos de ônibus espaciais da Nasa (a agência espacial americana).

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse ter orgulho do programa de ônibus espaciais, mas afirmou que é hora de a Nasa olhar para a frente, a fim de se concentrar na exploração de Marte e possivelmente enviar uma missão tripulada ao Planeta Vermelho.

O programa espacial passou a ser considerado pelas autoridades americanas como dispendioso e pouco prático, tendo custado um total de US$ 196 bilhões ao longo de três décadas.

A partir de agora, os astronautas americanas dependerão da ''carona'' dos antigos rivais russos, que os transportarão para a Estação Espacial Internacional (ISS) a bordo de foguetes Soyuz.

Quando o Atlantis retornar de sua jornada final, o ônibus espacial se tornará uma peça de museu, no Centro Espacial Kennedy, no estado americano da Flórida e os ônibus espacias anteriores, Enterprise, Discovery e Endeavour serão enviados para outros museus nos Estados Unidos.

O primeiro ônibus espacial, o Columbia, foi lançado em 12 de abril de 1981. Entre os mais destacados feitos da missão de ônibus espaciais estão ter colocado o telescópio Hubble em órbita, em 1990, e o envio em 1998 do mais idoso astronauta, John Glenn, que participou da missão com 77 anos, que já havia sido o primeiro americano em órbita.

O programa também foi marcado por uma tragédia - a explosão do Challenger, o segundo ônibus espacial construído, em 1986, matando todos os sete tripulantes da nave, entre elas a professora Sharon McAuliffe, a primeira civil a integrar uma missão espacial. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.