ONU quer reforçar campanha de combate ao HIV entre bebês durante a Copa

Iniciativa tem o apoio do ex-capitão da Alemanha Michael Ballack e do jogador do Togo Emmanuel Adebayor

Agência Brasil

08 Junho 2010 | 20h47

BRASÍLIA - Com a Copa do Mundo no continente africano, a Organização das Nações Unidas (ONU) quer reforçar a campanha mundial de combate à infecção de bebês com o vírus HIV.

 

Embaixadores do Programa das Nações Unidas sobre HIV-Aids (Unaids) querem que os capitães das seleções de futebol que vão disputar o Mundial assinem um documento de apoio à prevenção da mortalidade materna e de bebês em decorrência da aids.

 

De acordo com informações das Nações Unidas no Brasil, a cada 90 minutos - duração de uma partida de futebol - quase 80 recém-nascidos são infectados com o vírus no mundo. Em 2008, 430 mil bebês foram infectados, sendo 90% na África Subsaariana.

 

A iniciativa da ONU tem o apoio do ex-capitão da seleção da Alemanha Michael Ballack e do jogador do Togo Emmanuel Adebayor - ambos embaixadores do Unaids. Jogadores das equipes de Camarões, do Paraguai, do Uruguai e da África do Sul - país sede da Copa - assinaram o documento.

Mais conteúdo sobre:
aids HIV ONU Unaids África Subsaariana

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.