Operação apreende remédios desviados da rede de SP

Segundo a Secretaria Casa Civil, cada uma das 61 caixas de remédios apreendidas custam entre R$ 300 e R$ 9 mil

Priscila Trindade, Agência Estado

15 Agosto 2011 | 12h16

Uma operação da Corregedoria Geral da Administração (CGA) apreendeu o equivalente a mais de R$ 200 mil em remédios da rede pública paulista desviados para hospitais privados do Brasil. Segundo a Secretaria Casa Civil, cada uma das 61 caixas de remédios apreendidas custam, em média, entre R$ 300 e R$ 9 mil. Entre os medicamentos estão Avastin, Mabthera e Terlipressina.

A quadrilha furtava remédios usados no tratamento de câncer e de pacientes transplantados do almoxarifado dos hospitais públicos e vendia o material por preços abaixo do mercado para distribuidoras. Depois, os medicamentos eram revendidos para hospitais particulares do País. Uma distribuidora de remédios, localizada em São Caetano do Sul, na região metropolitana de São Paulo, foi interditada durante a operação. As investigações também apontaram que os hospitais adquiriam os medicamentos por meio de um site.

A ação, que durou um mês, foi feita em conjunto com a Secretaria Estadual da Saúde de São Paulo, Departamento de Polícia e Proteção à Cidadania (DPPC), Vigilância Sanitária e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Esta é a segunda operação de combate ao desvio de medicamentos feita em 2011. Em março passado, foram apreendidas 30 caixas de remédios oncológicos avaliadas em R$ 160 mil na capital paulista, Grande São Paulo e no Rio de Janeiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.