Órgão dos EUA alerta para efeitos colaterais do Botox

Efeitos colaterais teriam provocado internamentos e mortes no país.

Da BBC Brasil, BBC

11 de fevereiro de 2008 | 14h40

A Food and Drug Administration (FDA, na sigla em inglês) - principal órgão de vigilância sanitária nos Estados Unidos - divulgou um alerta sobre os efeitos colaterais da toxina botulínica, principal substância do Botox.Segundo a FDA a droga foi ligada a sintomas graves do botulismo, como dificuldade de deglutição e respiração. Em alguns casos, os efeitos causaram internações e algumas crianças que receberam a droga para tratamento de espasmos musculares morreram no hospital. No alerta, publicado no site do órgão na internet, a FDA informa que as reações ocorrem quando a toxina botulínica se espalha além da região onde foi injetada e provoca paralisia e enfraquecimento dos músculos utilizados para respiração e deglutição - um efeito colateral que pode ser fatal, segundo a agência. O órgão não divulga o número de casos que estão sendo analisados, mas informa que pelo menos um deles está relacionado com a aplicação de Botox para tratamento de rugas. IndicaçõesA toxina botulínica é usada em tratamentos estéticos e medicinais. Os tipos mais comuns são o Botox (toxina tipo A) e o Myobloc (tipo B), usados em procedimentos estéticos para atenuar as rugas da pele e em diversas condições médicas. Na medicina, a toxina é utilizada no tratamento de paralisia cerebral, espasticidade muscular, estrabismo e diversas síndromes neurológicas. O seu uso, no entanto, não é aprovado nos EUA para o tratamento de espasmos musculares. Segundo a FDA, o órgão irá revisar suas informações de segurança sobre o uso da toxina. No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), autoriza o uso da toxina desde 1992 para tratamentos de espasticidade e paralisia cerebral, entre outros diagnósticos.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.