Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Efe/Carl Buell/Nature
Efe/Carl Buell/Nature

Órgão sensorial permite que baleias detectem presas

Estrutura possibilita coordenar movimentos da mandíbula durante ataques

Efe,

23 de maio de 2012 | 19h00

 As baleias têm um órgão sensorial que permite detectar as presas e coordenar os movimentos da mandíbula durante os ataques, diz um estudo publicado na "Nature".

O grupo de cetáceos, que inclui espécies como as baleias azuis e as minke - pode consumir até 1,8 tonelada de comida ao dia, em um processo no qual engolem e filtram grandes volumes de água com presas no qual o órgão sensorial desempenha um papel fundamental.

"Está é a primeira vez em décadas de se descobre um novo órgão sensorial em um mamífero. Isso ilustra também o pouco que sabemos sobre a anatomia das baleias", disse à Efe Nicholas Pyenson, principal pesquisador e autor do artigo.

Em cada ataque, as baleias aceleram seus movimentos até a velocidade máxima, e abrem a boca até alcançar um ângulo de quase noventa graus.

O órgão descrito no artigo está situado entre os ossos da mandíbula e é responsável pela coordenação de vários processos, como a abertura da boca durante as investidas ou a expansão da garganta até sua capacidade máxima.

Segundo Pyenson, ele está formado por mecanorreceptores (tipo de receptor sensorial) que comunicam ao cérebro as mudanças de posição da mandíbula e da garganta, e seus componentes não foram encontrados em nenhum outro mamífero.

"A descoberta permite saber mais sobre a sequência evolutiva que permitiu a que esses mamíferos se transformassem nos maiores vertebrados do planeta", diz o autor.

A pesquisa utilizou tecidos coletados de baleias pescadas na Islândia com fins comerciais, submetidas a técnicas de raio-X e ressonância magnética.

Tudo o que sabemos sobre:
baleiasórgão sensorialreceptores

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.