Origem dos surtos atuais de peste bubônica pode estar em praga medieval

Cientistas chegaram à conclusão a partir de DNA extraído dos restos de quatro vítimas da doença enterradas em Londres, no século XIV

12 de outubro de 2011 | 16h27

 LONDRES- A famosa Peste Negra ou bubônica, que no século XIV dizimou um terço da população europeia, poderia ser a origem dos surtos atuais da doença, segundo um estudo genético publicado nesta quarta-feira, 12, na revista "Nature".

A pesquisa, dirigida pelo professor Johannes Krause, da universidade alemã de Tübingen, indica que a bactéria Yersinia pestis, causadora das epidemias de peste que ainda se dão em certas partes do mundo, poderia ser basicamente a mesma que fez estragos na época medieval.

Krause e sua equipe chegaram a esta conclusão após reconstruir o genoma da bactéria original a partir de DNA extraído dos restos de quatro vítimas da doença enterradas no cemitério londrino de East Smithfield, construído entre 1348 e 1349 para abrigar vítimas da peste.

As análises indicariam que a devastadora praga do século XIV pode ser a responsável pela introdução e disseminação por todo o mundo das bactérias que ainda circulam na atualidade. A doença, atualmente, tem cura.

Além disso, os pesquisadores constataram que a doença hoje em dia é influenciada por fatores ambientais e a própria suscetibilidade do portador.

Acredita-se que a Peste Negra se originou em roedores na China e se propagou através das pulgas dos ratos. "É um exemplo histórico fundamental de uma infecção com rápida disseminação e alta mortandade", já que num período de cinco anos reduziu consideravelmente a população da Europa, assinala a revista "Nature".

A revista científica britânica explica também que os avanços tecnológicos na recuperação do DNA facilitam o sequenciamento do genoma de espécimes antigos.

Tudo o que sabemos sobre:
Peste BubônicaIdade Médiabactéria

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.