Erin Schaff/The New York Times
Erin Schaff/The New York Times

Os sintomas que você busca no Google podem ajudar pesquisadores a compreender melhor o coronavírus

Companhia está compartilhando dados a respeito de coriza e febres com a finalidade de permitir que cientistas aprendam mais sobre a covid-19, como os lugares futuramente atingidos pela pandemia ou efeitos a longo prazo

Heather Kelly, Washington Post

08 de setembro de 2020 | 15h00

A primeira coisa que as pessoas deveriam fazer quando temem ter contraído o novo coronavírus seria chamar o médico. No entanto, a primeira coisa que a maioria faz, na realidade, é procurar o que o Google diz a respeito dos seus sintomas.

Trata-se de uma boa notícia para os pesquisadores. O Google está compartilhando o seu tesouro de dados a respeito de coriza e febres com a finalidade de permitir que os pesquisadores aprendam mais sobre a covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus. Os dados poderão ajudá-los a prever os lugares futuramente mais atingidos pela pandemia, ou aprender mais sobre os seus efeitos a longo prazo.

O Google oferecerá aos pesquisadores e ao público os dados sobre as buscas de sintomas nos diversos condados dos Estados Unidos. As informações remontam a três anos atrás e incluem até 400 sintomas e doenças, e não apenas as conhecidas, associadas à covid-19. Fornecerá ainda informações sobre buscas, por exemplo, a respeito de estresse e diabetes, para que os especialistas possas conhecer mais sobre os efeitos colaterais para a saúde.

A companhia já fez um trabalho prévio, limpando os dados para os pesquisadores, ou seja, descobrindo os termos de busca com que todos descrevem determinado sintoma. Por exemplo, poucas pessoas escreverão “anosmia” a respeito de sua falta de olfato ou de paladar. Muito provavelmente digitarão “perda de olfato covid” ou “por que não sinto mais o gosto deste melão”.

Todos os dados serão mantidos anônimos e não serão relacionados a usuários em particular, esclarece a companhia. Ao contrário do grande número de pessoas que buscam um sintoma em uma única área, o Google apresentará o conjunto de buscas para cada sintoma como uma variedade distinta.

A companhia tentou fazer algo semelhante com os dados sobre busca de sintomas no passado. O Google Flu Trends, um programa lançado em 2008, usava as buscas dos sintomas com a finalidade de prever os surtos de gripe. Originalmente, era muito cuidadoso. Mas depois de alguns anos, os resultados divergiam do que estava sendo descoberto pelas organizações de saúde, como os Centros para Prevenção e Controle de Doenças.

O programa acabou sendo fechado. Entretanto, o Google continuou fornecendo dados sobre a gripe ou sobre buscas de informações na área da saúde a pesquisadores que os usaram para monitorar algo como a doença de Lyme ou a disseminação de doenças transmitidas por alimentos.

Com os conjuntos de dados do coronavírus, o Google afirma que não pretende fazer previsões, mas permitir que pesquisadores de fora tenham a possibilidade de aprofundar os seus estudos, combinando os vários dados entre si, procurando chegar a uma maior precisão e aprender cada vez mais a respeito desta doença ainda relativamente nova. / TRADUÇÃO DE ANNA CAPOVILLA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.