Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

Pacheco diz que, segundo Pazuello, contrato do governo com a Pfizer será fechado nesta quinta

Governo negocia compra de 99 milhões de doses de vacina da covid com a farmacêutica americana; antes, Bolsonaro criticou proposta da empresa

Amanda Pupo, O Estado de S.Paulo

10 de março de 2021 | 21h44

BRASÍLIA - O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), disse na noite desta quarta-feira, 10, que, segundo o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, já nesta quinta-feira, 11, será estabelecido o contrato com a Pfizer. O governo negocia com a farmacêutica americana a compra de 99 milhões de doses de vacina contra a covid-19

Pacheco falou sobre o assunto ao final da sessão plenária desta quarta. "Segundo me foi informado pelo ministro Pazuello, já amanhã (quinta) se estabelece o acordo e o contrato com a Pfizer", disse o senador mineiro, que participou no Planalto da cerimônia de sanção do projeto de sua autoria, que autoriza o setor privado a comprar doses da vacina. 

Essa mesma lei estabelece que União, Estados, Distrito Federal e municípios podem assumir riscos referentes a eventos adversos pós-vacinação. Por várias semanas, a gestão Jair Bolsonaro alegou não ter assinado contrato com a Pfizer em razão de uma cláusula da proposta que isentava a empresa de responsabilidade por eventuais efeitos adversos do imunizante. Estudos já mostraram que essas reações são bastante raras. 

"O que é algo muito significativo (o contrato com a Pfizer) em razão do projeto, que permite a assunção de riscos por parte da União", disse Pacheco. Na semana passada, o Ministério da Saúde informou que acertou a compra de 99 milhões de doses da vacina da Pfizer. O anúncio ocorreu após o Congresso finalizar a votação do projeto de Pacheco.

Pacheco ainda informou que chegou às suas mãos na noite desta quarta a resposta de Pazuello sobre o cronograma de vacinação contra a covid-19, cobrado em ofício pelo presidente do Senado e pelo presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), ainda na terça.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.