Paciente com aids é curado com transplante de medula óssea

Devido à operação paciente já está curado do câncer e há quase dois anos sem anticorpos do HIV

Efe

12 de novembro de 2008 | 21h09

A clínica universitária da Charité de Berlim conseguiu curar de aids um paciente que sofria de leucemia ao qual, intencionalmente, transplantaram a medula de um doador imune ao vírus HIV, em um processo cujos detalhes foram descritos nesta quarta-feira, 12, pelo inventor do inovador tratamento, o hematólogo Gero Hütter.   A equipe sob cujos cuidados estava o paciente, um americano de 42 anos, pré-selecionou cerca de 80 possíveis doadores de medula em busca de um que fosse imune ao vírus, algo que ocorre com entre 1% e 3% dos europeus.   Após fazer mais de 60 exames, a equipe médica encontrou o candidato ideal, que apresentava uma mutação genética natural, conhecida como delta 32 CCR5 e que, se for herdado dos dois pais, imuniza contra a maioria das variantes do vírus.   O transplante de medula desse doador conseguiu que o paciente vencesse a leucemia e esteja há quase dois anos sem anticorpos do HIV nem no sangue nem nos órgãos vitais, algo inédito no campo da medicina até agora.   "Escolhemos esse doador com a esperança de que com o transplante de suas células medulares poderíamos, ao mesmo tempo, eliminar a infecção de HIV", assinalou Hütter.   O diretor de medicina clínica de Hematologia e Oncologia do hospital, Eckhard Thiel, assegurou hoje em entrevista coletiva que esse procedimento é um "êxito para a ciência" e um "acontecimento médico", mas afirmou que fica "um longo caminho" para saber se desse tratamento é possível obter uma cura para a aids.   Hütter, de 39 anos, contou que conhecia a existência da mutação genética natural, que foi descoberta há mais de dez anos, e decidiu aplicar esses conhecimentos a este paciente concretamente.   O homem, que mora em Berlim, foi diagnosticado com HIV há mais de dez anos e estava há três fazendo tratamento contra a leucemia quando os médicos da Charité decidiram submetê-lo ao transplante de medula.   No entanto, o médico quis "minimizar as falsas esperanças" geradas pelo sucesso da operação, que já foi retratada nas revistas especializadas, já que foi obtida em um caso "muito concreto" e durante o tratamento de outra doença grave.

Tudo o que sabemos sobre:
saúdeaids

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.