Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Paciente com suspeita de Ebola é levado ao Rio de Janeiro

Missionário de 47 anos que voltou de viagem à Guiné ficará hospitalizado no Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas

Sérgio Torres, O Estado de S. Paulo

10 Outubro 2014 | 07h20

RIO - Chegou ao Rio de Janeiro ao amanhecer desta sexta-feira, 10, o missionário de 47 anos suspeito de ter contraído o vírus Ebola em viagem à Guiné, concluída na segunda quinzena de setembro. Com sintomas semelhantes ao da doença decorrente da infecção pelo vírus, o homem, chamado Bah Souleymane, foi trazido de jatinho que pousou pouco depois das 6h30 no Rio. Ele foi levado para o Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas, unidade da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), na zona norte carioca.

De acordo com nota do Ministério da Saúde, divulgada na noite desta quinta-feira, 9, o paciente foi mantido isolado em uma instituição de saúde no município de Cascavel, a 500 quilômetros de Curitiba, a Unidade de Pronto-Atendimento Brasília II. O local foi esvaziado, e os pacientes transferidos para outros hospitais.

O religioso apresenta quadro de febre alta e hemorragia, segundo nota da Secretaria Estadual de Saúde. Os demais pacientes tiveram que ser transferidos para outros hospitais.

A Secretaria de Saúde do Paraná divulgou, também por nota, que o paciente apresentou sintomas da doença que atinge a costa oeste da África, como febre alta e hemorragia. Como voltou da Guiné em 17 de setembro, o caso foi considerado suspeito de contaminação pelo vírus. A Guiné é um dos três países que mais registraram casos de morte pela doença no continente africano.

O pouso do jato da Força Aérea Brasileira (FAB) na Base Aérea do Galeão (Ilha do Governador, na zona norte) foi cercado por medidas de segurança e proteção. Na pista, esperava o paciente uma ambulância do Corpo de Bombeiros e três profissionais de saúde, que usavam aventais e máscaras.

Mais conteúdo sobre:
Ebola Brasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.