Paciente do 1º transplante de rosto dos EUA passa bem

A paciente tinha graves lesões no rosto e não tinha nariz ou paladar e teve 80% do rosto reconstituído

Efe

17 de dezembro de 2008 | 21h47

Os médicos que praticaram o primeiro transplante de rosto nos Estados Unidos asseguraram nesta quarta-feira, 17, que a paciente, cuja identidade não foi revelada, está se recuperando bem.    Veja também:  Clínica de Ohio realiza primeiro transplante de rosto dos EUAA equipe médica da Cleveland Clinic, no estado de Ohio, nordeste do país, formada por 12 especialistas em assuntos tão diferentes quanto psicologia, bioética e doenças infecciosas, e dirigida pela cirurgiã Maria Siemionow, compareceu á imprensa para dar mais detalhes sobre o transplante.A operação foi realizada há duas semanas, explicou Siemionow, e durou 22 horas.Os médicos reconstruíram 80% do rosto da mulher com o de um doador falecido.A paciente tinha graves lesões no rosto e não tinha nariz ou paladar. Além disso, não podia comer nem respirar normalmente, já que fazia através de um orifício na traquéia.A identidade da paciente não será revelada a pedido da família, que também quer que permaneça em segredo o motivo das graves lesões das quais sofria.Apesar do segredo com o qual são guardados os detalhes que poderiam levar à identidade da paciente, Siemionow contou "a felicidade que (a paciente) sentiu quando tocou com as mãos o rosto e sentiu que tinha um nariz e uma mandíbula".  A médica disse que a paciente, que só conserva as próprias pálpebras e lábio inferior, está bem e se recupera "segundo o plano". Este foi o primeiro transplante deste tipo realizado nos Estados Unidos, depois que a Clínica Cleveland foi a pioneira a aprovar o procedimento, há 4 anos.Siemionow afirmou que a mulher "tinha esgotado todos os meios convencionais de reconstrução", e considerou que o paciente "tem direito" de recorrer a estas novas formas de cirurgias.

Tudo o que sabemos sobre:
saúdetransplante

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.