Sebastien Nogier/EFE
Sebastien Nogier/EFE

Pacientes recuperados de coronavírus também devem receber a vacina, dizem especialistas

De acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos, a vacina é segura para pessoas que já tiveram uma infecção anterior

Redação, O Estado de S.Paulo

16 de janeiro de 2021 | 03h25

Pesquisas sugerem que a maioria das pessoas que se recuperaram da covid-19 estão imunes à doença por pelo menos oito meses. No entanto, a maioria dos epidemiologistas ainda está incentivando essa população a tomar a vacina se for sua vez de entrar na fila.

De acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos, a orientação oficial diz que as vacinas devem ser oferecidas independentemente de as pessoas terem sido previamente infectadas. O órgão também afirma que a vacina é segura para pessoas que já tiveram uma infecção anterior. O ex-diretor do CDC, Thomas Frieden, disse que aconselharia a maioria das pessoas a tomar a vacina, mesmo que já tivessem contraído a covid-19.

Mas Frieden acrescentou que não acha errado alguém em um grupo de baixo risco, que já teve a doença, adiar se acha que outra pessoa poderia usar a dose. Um sistema de saúde pediu aos trabalhadores que fizessem exatamente isso, Frieden observou recentemente no Twitter. Os limites no fornecimento de vacinas reforçam o argumento de que as pessoas recuperadas deveriam deixar outras irem primeiro.

Como a administração da vacina encontra gargalos em todo o país, a pressão é grande para que o imunizante seja aplicado em tantos braços quanto possível.

Pesquisadores da Universidade do Colorado em Boulder descobriram que priorizar as pessoas que ainda não têm imunidade natural pode permitir que as autoridades de saúde tenham mais impacto com os suprimentos limitados, especialmente em áreas onde muitas pessoas já foram infectadas, de acordo com um estudo de modelagem que ainda não foi revisado por pares.

Os pesquisadores descobriram que seria necessário vacinar um em cada cinco idosos em Nova York para reduzir as taxas de mortalidade em 73%. Mas você pode obter o mesmo resultado vacinando apenas uma em cada seis pessoas se priorizar aqueles que ainda não têm anticorpos para o vírus, de acordo com Kate Bubar, uma estudante de doutorado em matemática aplicada e biologia quantitativa, que é coautora do estudo.

E embora uma infecção anterior de covid-19 não seja uma garantia de imunidade, é uma boa proteção por si só. Os pesquisadores descobriram que oito meses após a infecção, cerca de 90% dos pacientes apresentam imunidade estável e persistente. Ainda assim, o risco pode variar de pessoa para pessoa.

"Se eu tivesse mais de 70 anos ou estivesse doente, certamente tomaria a vacina mesmo se tivesse [covid-19]. Se eu tivesse 30 e fosse saudável, não deveria estar tomando agora (a menos que seja um profissional de saúde), mas se por algum motivo me oferecessem, provavelmente eu recusaria", disse em um e-mail Marc Lipsitch, um especialista em doenças infecciosas da Escola de Saúde Pública Harvard TH Chan.

Alguns epidemiologistas se preocupam com a logística de tentar eliminar pessoas com imunidade natural. Isso pode complicar o processo, pois os profissionais de saúde já estão lutando para que a vacina seja distribuída rapidamente. Até sexta-feira, cerca de 10,6 milhões de pessoas receberam uma dose do imunizante, embora 31,2 milhões de doses tenham sido distribuídas, de acordo com uma análise do Washington Post.

Eleanor Murray, professora assistente de epidemiologia da Escola de Saúde Pública da Universidade de Boston, teme que tentar verificar se a pessoa teve a doença no passado acrescente obstáculos burocráticos. 

"Confirmar se alguém teve ou não covid-19 acrescenta uma camada desnecessária de burocracia na priorização de vacinas. Dado que a priorização é projetada para obter a vacina primeiro para as pessoas com maior probabilidade de serem infectadas e/ou ficarem muito doentes com a infecção, faz sentido reduzir ao máximo as barreiras à vacinação desse grupo", disse Murray.

Ela também alertou que não sabemos quanto tempo dura a imunidade natural das pessoas e que isso pode variar de indivíduo para indivíduo. Essa incerteza pode ser um motivo adicional para encorajar as pessoas a tomar a vacina.

Também existe o risco de que dizer às pessoas que tiveram covid-19 para adiar a obtenção da vacina possa acabar entrando em narrativas antivacinas. Alguns especialistas relutam em desencorajar qualquer pessoa a tomar a vacina se for elegível, especialmente considerando que a hesitação da vacina é generalizada.

Já existe um problema com as pessoas que têm direito à vacina, mas não a recebem.

No condado de Santa Rosa, Flórida, apenas cerca de 40% das equipes de emergência que são elegíveis para tomar a vacina a receberam ou se inscreveram para fazer isso em breve. Em Nova York, onde cerca de 30% dos profissionais de saúde recusaram a vacina, o governador democrata do estado, Andrew Cuomo, ameaçou que quem pular uma dose agora não terá direito a uma vacina prioritária mais tarde.

A baixa taxa de participação é preocupante, especialmente em centros de cuidados de longa duração.

Mas nem todo mundo que recusa uma vacina é uma antivacina radical, adverte Frieden. Ele diz que existe um "meio móvel" de pessoas. Eles não vão acampar durante a noite para obter uma vacina precoce, mas podem ser convincentes se os custos e outras barreiras forem baixos. Frieden diz que é crucial manter uma porta aberta para essas pessoas como, por exemplo, ver se elas estariam dispostas a agendar uma injeção daqui a três semanas, em vez de imediatamente./WP Bloomberg

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.